Desporto

“Libertem Rui Pinto”. Claque do Estugarda pede libertação do alegado hacker dos emails do Benfica

Faixa foi exibida na última jornada do campeonato alemão.


 Durante o jogo frente ao Mainz, a claque afeta ao Estugarda exibiu uma faixa onde pede a libertação de Rui Pinto, o hacker que está a ser relacionado com roubo dos emails do Benfica.

Na faixa mostrada pelos adeptos do Estugarda lê-se "Liberdade para Rui Pinto", seguida da mensagem "contra o futebol moderno".

Recorde-se que Rui Pinto foi detido na passada quarta-feira, em Budapeste, numa operação conjunta inédita entre as autoridades portuguesas e húngaras.

O hacker de 30 anos é suspeito de ter roubado os e-mails do Benfica, que foram divulgados pelo FC Porto.

Quem é Rui Pinto?

O nome de Rui Pinto já estava nos radares das autoridades internacionais muito antes do escândalo do Benfica.  O hacker português foi um dos homens por detrás do Football Leaks, que revelou milhares de documentos confidenciais relacionados com o mundo do futebol, incluindo o acordo de confidencialidade entre Cristiano Ronaldo e Katherine Mayorga, a mulher que acusa o internacional português de a ter violado, em junho de 2010, em Las Vegas.

“Os fãs têm de perceber que com cada bilhete, cada equipamento que compram e cada subscrição televisiva que fazem, estão a alimentar um sistema extremamente corrupto que funciona apenas para si (…) Há ligas na Europa que são controladas apenas por três ou quatro agentes. Eles fazem transferências contínuas com presidentes de clubes corruptos. O sistema do futebol está a consumir-se a si próprio por dentro”, explicou John (nome fictício) à Der Spiegel, em dezembro de 2016. Na altura, pouco se sabia sobre o autor desta fuga de informação. Apenas que seria português, que sabia cinco línguas e que estava a aprender outras duas e que era um bom vivant com capacidades acima da média.

É muito provável que John fosse Rui Pinto, um jovem na altura com 27 anos, residente em Budapeste. “Rui Pinto esteve envolvido em ataques informáticos no passado. Em 2013, ‘hackeou‘ o Caledonian Bank, das Ilhas Caimão, e conseguiu a informação suficiente para transferir 300 mil dólares para o Deutsche Bank, mas foi identificado na intenção e detido. Foi aí que chegou Aníbal Pinto. O seu advogado salvou-o de uma pena maior e, no final, apenas tiveram de pagar uma multa de 100 mil dólares”, escreveu o jornal Marca.

Na entrevista que deu à Der Spiegel, Rui Pinto mostrava-se um apreciador de futebol – continuava a assistir a partidas nos estádios – e considerava-se uma espécie de Robin Hood, divulgando informações sobre o poder do futebol que, de outra forma, nunca veriam a luz do dia. Pouco a pouco, foram sendo conhecidos pormenores sobre a sua vida e os seus gostos: era originário da Praia de Lavadores, em Gaia, estudou História na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, fez Erasmus em Budapeste, onde acabou por ficar a viver, era um apaixonado por arqueologia e tencionava tirar o curso de Relações Internacionais.

Em setembro do ano passado, o seu pai disse ao Jornal de Notícias que Rui Pinto não podia vir a Portugal – caso o fizesse, “seria preso”.

“Duvido muito que ele tenha conhecimentos informáticos para fazer o que o acusam. Não é assim tão perito quanto isso. Emigrou há alguns anos. Acho que está a trabalhar como freelancer em informática”, revelou na altura.