No Limiar...

O direito das mulheres no Islão

Enquanto o Islão estabelece claramente que homens e mulheres são iguais, reconhece que eles não são idênticos

Oprimidas, inferiores e desiguais - para muitas pessoas, estas são as primeiras palavras que vêm à mente quando se pensa em mulheres no Islão. Esses estereótipos confundem o Islão com práticas culturais e não reconhecem que o Islão deu poder às mulheres com os direitos mais progressistas desde o século VII . No Islão, as mulheres não são inferiores ou desiguais aos homens. Este meu artigo de opinião apresenta os ensinamentos reais do Islão em relação aos direitos, papéis e responsabilidades das mulheres, com o enfoque especial na igualdade de géneros.

Este tema é crucial esta semana, porque deve-se ter em conta que o caso de Rahaf Al Qunun, é um caso extremamente badalado na imprensa nestas últimas semanas. 

Numa altura em que as crianças do sexo feminino eram enterradas vivas na península arábica, e, as mulheres eram consideradas propriedade transferível, o Islam ou o Islão, honrou as mulheres na sociedade elevando-as e protegendo-as com direitos sem precedentes. Deu às mulheres o direito à educação; casar com alguém da sua escolha; manter a sua identidade após o casamento, divorciar-se; trabalhar; possuir e vender propriedades; buscar proteção pela lei; votar e participar da vida cívica e política.

O Profeta Mohammad chamou as pessoas para a crença em um Deus (fé islâmica) e encorajou-as a serem justas e misericordiosas (benevolentes) umas com as outras. Ao reformar a sociedade pagã árabe, Ele, particularmente transformou a mentalidade do povo na sua generalidade, em relação ao tratamento que deviam dar às mulheres. O Islão aboliu a prática de matar crianças do sexo feminino e elevou o status das mulheres na sociedade, tornando-as respeitadas.

Deus dedica um capítulo inteiro do Alcorão, o livro sagrado do Islão, às mulheres. 

O Islão confirma ainda que homens e mulheres são iguais aos olhos de Deus. No Alcorão, Deus declara: «... De fato, o mais nobre de vocês aos olhos de Allah é o mais justo de entre vós ...».

Enquanto o Islão estabelece claramente que homens e mulheres são iguais, reconhece que eles não são idênticos. Deus criou homens e mulheres com atributos fisiológicos e psicológicos únicos. No Islão, essas diferenças são adotadas como componentes vitais para uma família saudável e estrutura comunitária, com cada um dos intervenientes a contribuir da melhor forma para o desenvolvimento da sociedade em geral.

Da mesma forma, os direitos, papéis e responsabilidades das mulheres são equilibrados com os dos homens, mas não são necessariamente os mesmos. Como o Islão concedeu identidades individuais a homens e mulheres, uma comparação constante entre os dois é fútil. Cada um desempenha um papel único para defender mutuamente a moralidade social e o equilíbrio social.

 Também deve ser mencionado aqui que os muçulmanos nem sempre são representativos do Islão e podem seguir as suas influências culturais ou interesses pessoais, familiares ou tribais fazendo alusão ao caso específico da jovem Rahaf. Ao fazê-lo, eles não apenas privam as mulheres de privação dos direitos delas, mas também vão contra as diretrizes claras estabelecidas no Islão em relação ao tratamento das mulheres. Portanto, as suas práticas vão contra as liberdades e os direitos que o Islam capacita as mulheres.

O conhecimento é obrigatório para todo o muçulmano - do sexo masculino e feminino.

O  Islão tem por base proteger as liberdades civis das mulheres com base nas diretrizes estabelecidas por Deus e Seu Profeta. As mulheres têm direitos e são protegidas na jurisdição islâmica e têm que ser honradas como ordenou Deus no Alcorão.

Não se concebe, como nos dias de hoje imputa-se tudo à religião. No entanto na sua forma mais elementar, as crenças transmitidas culturais e não religiosas tradicionalmente são recomendadas e recebidas irrefletidamente, estão ali simplesmente.