Sociedade

Patrões devem pagar mestrados e pós-graduações, defende ministro

"Temos, sobretudo, de estimular e provocar os empregadores a incentivarem a formação ao longo da vida", disse Manuel Heitor

Depois de ter estado no centro da polémica por defender a gratuitidade das propinas, o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior defendeu hoje o pagamento de pós-graduações e mestrados pelas entidades empregadoras.

“Temos, sobretudo, de estimular e provocar os empregadores a incentivarem a formação ao longo da vida. Não é algo que se faz por decreto, é algo que se faz com empresas, com empregadores e com a administração pública”, disse Manuel Heitor à “Lusa”.

Na visão do ministro, é preciso “alargar a penetração do ensino superior em Portugal”, estimulando “uma estrutura do ensino superior que deixa de estar focada na formação inicial para diversificar e especializar em muitas áreas, sobretudo, na área da pós-graduação”, disse.

“Isso requererá, na próxima década, reduzir os custos diretos das famílias, ao mesmo tempo que modernizamos e transformamos gradualmente a estrutura, quer de financiamento, quer de operação”, explicou ainda Manuel Heitor.