Vida

No dia em que Rui Pedro faria 32 anos mãe deixa-lhe mensagem emocionante

Filomena Teixeira recordou as memórias que tem do filho

No dia em que Rui Pedro faria 32 anos, esta segunda-feira, a mãe, Filomena Teixeira, publicou uma crónica em que recorda o filho e garante que aguarda a sua chegada, mais de 19 anos depois do seu desaparecimento.

“Filho, recordo-te num misto de emoções: alegria e tristeza. Alegria, porque te tive e fazes parte de mim. Tristeza, porque te levaram e não tive a oportunidade de te ver crescer a partir dos 11 anos.
Neste dia, espero que te lembres ainda do quanto me fizeste feliz”, começou por escrever Filomena, numa crónica publicada pelo semanário TVS.

“Alegre, n.º 1 em tudo, foi com muita alegria que te vi crescer e aprender a andar, a andar de triciclo, bicicleta, skate, a ser um faz-tudo em casa, perito em eletricidade, eras tu que comandavas todos os aparelhos elétricos. Também adoravas os animais e quase que tivemos um "zoológico" em casa. Tu e a tua irmã adoravam-nos e tenho histórias engraçadas que recordo; Como daquela vez que compraste um esquilo e lhe fizeste uma casa na árvore (cá fora, claro). Ao outro dia, já ele tinha fugido, para tua tristeza. Ou dos contratos que fazias com o avô Afonso ou com o avô Zeca para ficar com alguns canários, quando eu te dizia que não admitia mais em casa, e também com a tia Mena. Depois, uns davam asilo aos canários, outros a ração” recordou.

“A tua imaginação fértil e o teu riso contagiavam, assim como os teus olhos e pestanas fora do comum. O que tu rias com as boas anedotas do sr. Cesário, e com as ‘coças’ de almofada ao avô Zeca. Tanto amor, tanto carinho! Todos na família têm histórias sobre ti. A gravidez da Anabela (de risco) e o que tu fazias por ela. O amor do padrinho que idolatravas. As piadas ‘isto é que é futebol’ que só trocavas com o pai E as tuas inseguranças, e saber fazer-me tão feliz, como daquela vez que te vi na banheira a tomar um banho de espuma e a ver televisão com um garfo a servir de antena.
- Mãe, o pai diz que tomar banho de espuma, não é para meninos, mas para meninas!
- Diz ao pai que está errado (beijos).
Outra situação:
- Mãe, estás triste?
- Não, filho, cansada!
- O que tu precisas é disto... (Subitamente vai à dispensa e sai com uma máscara horrível de Carnaval e começa a cantar: ‘eu sou aquele que tu queres e mais ninguém, amor é só querer e eu só quero bem’). (Beijinhos)
- E agora o que queres?
- Leite (respondeu-me).
- Logo vi (beijos)”.

“Tantas memórias que nunca se perderam no tempo! Apenas, agravam a distância até hoje aos 32 anos. Não te vi crescer, roubaram-me essa oportunidade, enlouqueci tantas vezes, nunca mais fui a mesma...Agora, restam-se os dias, as alegrias da família e amigos que vão atenuando a dor maior, ‘nunca mais te ver’. Nem quero pensar... Hoje é o teu dia, 28 de janeiro de 2019. ‘Aguardo tua chegada em sinal aberto e que juntos possamos ver tudo sem interferências.’ - Alice Vieira.
Beijo e aquele abraço, Mãe”, concluiu.