Internacional

Mulher manda desligar máquinas a desconhecido devido a erro do hospital

Shirell Powell foi informada pelo hospital de que o irmão estava em morte cerebral e autorizou que retirassem o suporte vital

Uma norte-americana foi contactada pelo St. Barnabas Hospital, no Bronx em Nova Iorque, que a informou que o seu irmão estaria ali internado com graves danos cerebrais.

A mulher, que era o contacto de emergência do irmão, autorizou a remoção dos aparelhos de suporte de vida depois de lhe terem comunicado que Frederick Williams, de 40 anos, estava em morte cerebral, consequência de uma aparente overdose de droga.

Já depois de as máquinas que mantinham o homem vivo terem sido desligadas, Shirell Powell, segundo o New York post, descobriu que o doente não era o seu irmão, mas sim um completo desconhecido.

A norte-americana já tinha chorado à cabeceira do homem que pensava ser o seu irmão, além de ter avisado as suas sobrinhas adolescentes para que se despedissem do pai. Mas afinal o homem que ali estava deitado era Freddy Clarence Williams e não Frederick Williams, que já tinha sido paciente naquele hospital mas que atualmente está preso num estabelecimento prisional em Nova Iorque.

Shirell Powell quer agora ser indemnizada pelo erro do hospital e apresentou uma queixa por sentir que assinou a morte de um estranho. "Quase desmaiei quando percebi que matei alguém que nem conhecia", disse ao New York Post.

O processo contra o hospital deu entrada recentemente no tribunal e segundo a queixa, o hospital terá confundido os dois homens, com nomes muito parecidos e a mesma idade. Até as expressões faciais eram suficientemente similares para que a irmã julgasse que as diferenças se deviam aos danos cerebrais que teria inchado o rosto do irmão.