Economia

Casas. Preços voltam a disparar e há freguesias em Lisboa a custarem 3500 euros por m2

O preço mediano do metro quadrado em Portugal foi de 984 euros, mas em Lisboa, os valores são bastante superiores com o preço por metro quadrado a custar 2877 euros.

Os preços das casas em Portugal continuam a disparar, apesar dos alertas em torno dos valores especulativos e de alguma esperança de abrandamento. No terceiro trimestre do ano passado, o preço mediano do metro quadrado das casas vendidas foi de 984 euros, o que representa uma subida de 7,9% em relação a igual período do ano anterior. Mas em Lisboa, os valores são bastante superiores com o preço por metro quadrado a custar 2877 euros, ou seja, quase três vezes mais do que a mediana nacional.

As freguesias da cidade de Lisboa, Santo António, Misericórdia, Santa Maria Maior, Avenidas Novas e Estrela, registaram preços medianos de venda de alojamentos superiores a 3500 euros por metro quadrado.

Tal como no segundo trimestre de 2018, a freguesia de Santo António manteve o preço mediano da habitação mais elevado entre as freguesias da capital durante o terceiro trimestre.

Neste âmbito, as freguesias de Avenidas Novas, Santo António, Arroios, Estrela, Belém e Campo de Ourique registaram, simultaneamente, um preço mediano dos alojamentos vendidos acima do valor da cidade de Lisboa (2.877 €/m2) e taxas de variação, face ao período homólogo, mais expressivas que a verificada na cidade (+24,3%).

No terceiro trimestre de 2018, as freguesias lisboetas que apresentaram preços medianos e taxas de variação face ao período homólogo inferiores aos da cidade foram Santa Clara, Areeiro, São Domingos de Benfica, Carnide e Lumiar, destacando-se Santa Clara como a freguesia com o menor preço mediano (1.909 €/m2) e Parque das Nações como a única freguesia com uma evolução negativa do preço da habitação face ao período homólogo.

Em relação à cidade do Porto, a União de Freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde voltou, no terceiro trimestre de 2018, a registar o preço mediano dos alojamentos vendidos mais elevado (2.250 €/m2), com uma variação homologa de +24,9%, indicou o INE.

Das sete freguesias da ‘Invicta’, além da União de Freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde, a União de Freguesias de Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória e a União de freguesias de Lordelo do Ouro e Massarelo distinguiram-se por apresentarem simultaneamente um preço mediano de alojamentos vendidos (1.860 €/m2 e 1.810 €/m2, respetivamente) acima do valor da cidade (1.525 €/m2) e uma taxa de variação face ao período homólogo (+28,7% e +24,4%, respetivamente) superior à verificada na cidade do Porto (+21,6%)”.

“A freguesia de Paranhos registou, simultaneamente, um preço mediano de alojamentos vendidos (1.316 €/m2) e uma taxa de variação homóloga (+13,9%) inferiores aos valores verificados na cidade do Porto”, segundo os dados estatísticos.

A análise do INE dos preços da habitação ao nível local indica ainda que as freguesias de Ramalde, Bonfim e Campanhã registaram, no terceiro trimestre de 2018, um preço mediano de alojamentos vendidos (1.429 €/m2, 1.319 €/m2 e 986 €/m2, respetivamente) inferior ao da cidade do Porto e taxas de variação, face ao período homólogo (+27,0%, +24,8% e +25,4%, respetivamente), superiores às registadas na cidade.

Acompanhando os dados do segundo trimestre, a freguesia da Campanhã voltou a registar, no segundo trimestre de 2018, o menor preço mediano de alojamentos vendidos (986 €/m2) na cidade do Porto.

Produzido pelo INE, as estatísticas de preços da habitação ao nível local têm a periodicidade trimestral e o âmbito geográfico é o país, apresentando para as cidades com mais de 200 mil habitantes (Lisboa e Porto) valores por freguesia.