Desporto

Premier League. Nuno bate Marco em grande show lusitano

O Wolves foi vencer por 3-1 ao terreno do Everton. Rúben Neves, André Gomes e Raúl Jiménez marcaram, João Moutinho e Diogo Jota também brilharam

DR  

Mais um grande jogo na Premier League, e com assinatura bem portuguesa. Em Goodison Park, o Wolverhampton Wanderers, orientado por Nuno Espírito Santo, venceu o Everton de Marco Silva por 3-1: Rúben Neves, André Gomes e o mexicano Raúl Jiménez, cedido pelo Benfica ao Wolves, marcaram, com João Moutinho e Diogo Jota também a brilhar a grande altura.

Logo aos sete minutos, castigando falta de Baines sobre Doherty, Rúben Neves marcou de grande penalidade, pondo o Wolves na frente. Aos 27', um golo extraordinário de André Gomes - o seu primeiro desde abril de 2017 - recolocou o empate no marcador. Em cima do intervalo, novo golpe nos toffees: livre lateral de João Moutinho e Jiménez a cabecear fulminante, sem hipóteses para Pickford.

Já na segunda parte (66'), o golo final: após jogada de Diogo Jota, Dendoncker fez o 1-3. Surgiria depois um gato preto no campo, que causou uma paragem de vários minutos no encontro, e o apito final, numa altura em que Hélder Costa também já estava em campo no Wolves. A partida terminou com assobios das bancadas dirigidos a Marco Silva, que sofreu a décima derrota na época, caindo para nono.

"É um resultado dececionante para nós, principalmente porque tudo o que o Wolves conseguiu foi por nossa culpa. Estamos a facilitar a vida aos nossos adversários. As coisas, às vezes, surgem do nada. Hoje foi o caso do penálti logo no início. Empatámos com um grande golo do André Gomes, mas em cima do intervalo voltámos a cometer um erro defensivo. Ficámos desconfortáveis no jogo. Tentei controlar as coisas ao intervalo, mas o terceiro golo teve um grande impacto em nós. Não temos sido consistentes, não temos sido regulares. Não é normal. Os adversários chegam cá e desorganizam a nossa equipa. É complicado compreender algumas coisas. Cabe-me a mim resolver isto, porque temos jogadores para fazer melhor", frisou o treinador do Everton.

Nuno, por seu lado, manifestou-se "orgulhoso" por mais um resultado positivo, que permitiu a permanência no sétimo posto. "Estamos orgulhosos do que fizemos, num estádio difícil de jogar. Jogámos melhor na primeira parte. O Everton arriscou tudo na segunda parte e quando marcámos o terceiro golo, arrumámos o jogo. Não estou a par de todos os factos e dos números, mas o que sei é que é muito difícil jogar aqui, com esta atmosfera. O Everton tem uma boa equipa, um bom treinador, e um momento pode mudar tudo. São muito organizados e estão em forma. Penso que estamos a trabalhar bem, a tentar evoluir, jogo a jogo. Agora vamos jogar para a Taça de Inglaterra. Vamos jogo a jogo, ainda temos um longo caminho a percorrer", salientou o técnico do Wolves, frisando não querer voltar a ver gatos pretos em campo - ainda que, em Inglaterra, tal seja considerado sinal de sorte, ao contrário do que acontece em Portugal: "A sério? De onde venho um gato preto é sempre sinal de azar. Aqui é bom sinal? Está bem, mas não quero voltar a ver gatos pretos!"

Na frente, o Tottenham ultrapassou à condição o Manchester City no segundo lugar do campeonato inglês, ao vencer o Newcastle por 1-0. Um golo solitário do internacional sul-coreano Son Heung-min, já ao minuto 83, valeu o triunfo aos spurs, que ficam agora à espera do resultado dos citizens, que este domingo recebem o Arsenal. Em grande esteve o Chelsea, que goleu o Huddersfield (5-0) com bis de Higuaín e Hazard - David Luiz (ex-Benfica) fez o outro tento. Os blues isolaram-se agora no quarto lugar.

Uma palavra ainda para a receção do Cardiff City ao Bournemouth, com o conjunto de Gales a vencer por 2-0 e a lembrar Emiliano Sala, o avançado argentino que o Cardiff contratara ao Nantes mas cujo avião desapareceu quando atravessava o Canal da Mancha. Este sábado, de resto, a Blue Water Recoveries, uma empresa contratada pela família de Sala, anunciou que no domingo de manhã se iniciarão buscas subaquáticas pelo avião.

No Championship, o Reading, orientado por José Gomes, não saiu do nulo na receção ao Aston Villa, permanecendo na zona de despromoção. NélsonOliveira saiu lesionado aos 73 minutos. Já o Nottingham Forest perdeu por 2-0 em casa do Birmingham, com João Carvalho a entrar aos 78 minutos, enquanto o Sheffield Wednesday teve em Lucas João o seu herói: o internacional português entrou aos 72' na visita ao terreno do Ipswich e marcou aos 90' o golo que fez o 0-1 final, o seu nono golo esta época.