Sociedade

Braga para Todos acusa Câmara de “não apoiar” Liga Contra o Cancro

O movimento político Braga para Todos acusou a Câmara Municipal de Braga de “não apoiar” a Delegação da Liga Contra o Cancro, afirmando “não ser possível o Município de Braga não dispor de única uma sala para uma associação que além do mais ofereceu mais de 3.300 consultas de psico-oncologia gratuitas a 300 doentes desde o ano de 2013”.

DR  

A reação do movimento liderado por Elda Fernandes surge na sequência das declarações hoje, da coordenadora da delegação de Braga da Liga Portuguesa Contra o Cancro, Fátima Soeiro, ao jornal diário Correio do Minho desta quinta-feira, segundo as quais  “sinto-me desonrada por chegar ao ponto de pedir um espaço onde nos possamos instalar”, depois de ter sensibilizado o presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, para a situação em que a Delegação de Braga se encontra”, mas sem disponibilização de espaço alternativo por parte do Município de Braga, correndo a delegação o risco de ir para a rua.

“A Liga Portuguesa Contra o Cancro tem em Braga tem duas psicólogas a full-time e o Braga para Todos diz que esta ação que é oferecida aos bracarenses é que devia ser prioritária e não as festas que além de esvaziarem os cofres da autarquia em nada melhorar a vida dos bracarenses, muitos já saturados das mesmas”, segundo diz Braga para Todos.

“Apesar de haver vontade da Junta de São Victor em acolher futuramente a associação esta não pode ficar na rua porque há prioridades, que são as pessoas”, acrescenta a mesma ativista, referindo que só houve abertura da junta local, através do seu presidente, Ricardo Pereira da Silva, mas “todos sabemos que em São Victor há muita boa vontade, mas que existe pouco espaço para acolher tantas solicitações, a Câmara é que tem uma obrigação”.

“Falta de respeito da Câmara”

Braga para Todos “acusa Ricardo Rio de cada vez tomar mais decisões sem pensar nos bracarenses” e diz não acreditar que o Município de Braga não tenha uma sala disponível para a Delegação da Liga Portuguesa Contra o Cancro, que está ainda nas instalações da União de Freguesias de Maximinos, Sé e Cividade, mas terá que sair até ao mês de maio.

O movimento fala em “falta de respeito pela Liga Portuguesa Contra o Cancro, que em Braga já ofereceu mais de 3.300 consultas de psico-oncologia a 300 doentes desde 2013, não podendo aceitar os bracarenses que este presidente, Ricardo Rio, esteja cada vez a ter decisões que prejudicam quem vive em Braga e precisa do apoio nas alturas da doença”.

“Estamos chocados com tamanha falta de sensibilidade de Ricardo Rio, que está a chegar a um ponto em que é urgente nós agirmos, temos um presidente sem qualquer noção e capacidade de estar à frente da cidade, são vários os casos onde se vê a falta de experiência política, e este é só mais um, como é possível uma Câmara que tem várias juntas com espaços e até espaços da própria autarquia não ter um local para a Liga Portuguesa Contra o Cancro dar apoio a doentes oncológicos, diz o movimento Braga para Todos, depois de ter confirmado que “a Câmara de Braga garantiu que  não tem qualquer espaço, nem deu qualquer alternativa que permita até maio instalar em outro local estes serviços de saúde”.

Três meses para deixar espaço atual

“Será que Ricardo Rio é tão distante da população que não tem consciência que mais de metade dos bracarenses não têm poder económico para ter apoio psicológico, mas estas associações por vezes são mais do que isso, são quase uma família”, diz Elda Fernandes.

“A Liga Portuguesa contra o Cancro de Braga já afirmou que não lhes renovam a cedência de espaço que ocupavam desde 2013 e daqui a três meses” terão de sair, “porque a União de Freguesias de Maximinos, da Sé e da Cividade precisam das salas para associações recreativas”, como afirma ainda no mesmo comunicado o movimento Braga para Todos.

Para Elda Fernandes diz que esta desculpa é vergonhosa, há em Braga vários espaços que cedem os locais para associações recreativas que têm o seu papel na sociedade, mas aqui, no outro lado da balança está uma doença que mata e afeta ferozmente o doente e a família, é que deveria aqui ser prioritária, decisões do edil cheiram muito a política para os amigos, mas em criar uma rede de apoio para os bracarenses isso já não importa, esperamos que nas urnas isto e reflita, Braga não aguenta mais anos com este presidente”.