Sociedade

Ministra da Saúde fala em "dia tranquilo" nos hospitais após requisição civil

Esta sexta-feira foi publicada em Diário da República a portaria que determina a requisição civil dos enfermeiros 

A ministra da Saúde, Marta Temido, disse esta sexta-feira que “foi um dia tranquilo” nos hospitais após a requisição civil decretada face à greve dos enefermeiros.

Esta sexta-feira foi publicada em Diário da República a portaria que determina a requisição civil dos enfermeiros e que entrou em vigor de forma imediata. Os hospitais onde os enfermeiros foram chamados ao trabalho foram aqueles onde o Ministério da Saúde considerou que houve incumprimento dos serviços mínimos decretado pelo Tribunal Arbitral: Centro Hospitalar Universitário de São João, o Centro Hospitalar Universitário do Porto, Centro Hospitalar de Entre Douro e Vouga e o Centro Hospitalar Tondela-Viseu.

"Esta opção foi decidida porque os serviços mínimos não estavam a ser cumpridos em alguns hospitais. Verificando-se o incumprimento dos serviços mínimos decidiu o Governo e depois aplicou a ministra da Saúde uma requisição civil proporcional aos incumprimentos, ou seja só abrangeu alguns dos hospitais onde já se tinham verificado incumprimentos nos serviços mínimos", referiu Marta Temido aos jornalistas na sede do Ministério da saúde, acrescentando ainda “desconhecer” qualquer intenção dos sindicatos dos enfermeiros de avançarem com uma intimação para contestarem a requisição civil.

"Teremos de esperar que sejam concretizadas essas notícias para podermos responder”, disse.