Sociedade

Crowdfunding dos enfermeiros. Movimento Greve Cirúrgica diz que "não há nada a esconder"

Responsável diz que pediu a todos os que fizeram donativos que se identificassem

O Movimento Greve Cirúrgica afirmou este sábado que “não há nada a esconder” no que diz respeito ao crowdfunding iniciado para financiar a greve dos enfermeiros, pedindo assim que, a partir de agora, todos os que queiram contribuir se identifiquem.

"Estamos preparadíssimos, não temos nada a esconder, sempre dissemos isso", afirmou Catarina Barbosa, representante do Movimento Greve Cirúrgica, à agência Lusa.

Esta reação surge depois de o jornal Expresso ter avançado que a Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica (ASAE) vai investigar a origem dos fundos recolhidos pelos enfermeiros através de crowdfunding, que já angariou mais de 780 mil euros.

Catarina Barbosa diz que na sexta-feira, antes de a notícia ser publicada, o movimento enviou um e-mail a todos aqueles que têm contribuído para que verificassem se os donativos foram feitos de forma anónima ou não. A responsável garante que houve várias pessoas que entraram em contacto por quererem mudar o ‘status’ de anónimo, revelando assim a sua identidade.

"Acreditamos que se calhar, até ao fim do dia de hoje ou de amanhã [domingo], esse problema ficará resolvido. Porque nós nunca tivemos nada a esconder, não é por causa dos anónimos que as coisas vão ser diferentes", disse à Lusa. "Estamos tranquilos, estamos à espera. O que nós queríamos era mesmo isso, que investigassem para acabarem mesmo com essa suspeita que existe, dos privados estarem a financiar, assim realmente vai ficar resolvido, vai ficar resolvida a questão. E espero que não se volte a falar mais desta situação. É a melhor forma de resolver isto", acrescentou.

Catarina Barbosa disse ainda à agência de notícias que, até agora, o Movimento Greve Cirúrgica não foi contactado pela ASAE.