Internacional

Eurodeputados expulsos da Venezuela

Eurodeputados convidados a visitar Juan Guaidó foram expulsos do país e obrigados a voltar

Uma delegação do Parlamento Europeu, convidada pela Assembleia Nacional venezuelana a visitar ao país, foi, impedida de entrar na Venezuela, este domingo, tendo sido obrigada a apanhar um voo de regresso para Madrid.

A expulsão dos eurodeputados foi denunciada no Twitter pelo deputado opositor Francisco Sucre, que revelou que a delegação já tinha chegado ao Aeroporto Internacional Simón Bolívar de Maiquetía, norte de Caracas.

"Queremos alertar a opinião pública nacional e internacional que o regime usurpador de Nicolás Maduro acaba de proibir a entrada na Venezuela de uma delegação de eurodeputados que vieram a convite da Assembleia Nacional da Venezuela e do seu presidente Juan Guaidó”, lê-se na publicação.

Francisco Sucre afirmou ainda, noutro post, que esta é uma "nova amostra de que Nicolás Maduro é um tirano que pretende isolar a Venezuela do concerto das nações livres e que gera sofrimento no seu povo, que padece de uma emergência humanitária complexa".

"Denunciamos este novo atropelo contra a liberdade e a democracia. Proíbem a entrada aos eurodeputados e retêm os seus passaportes sem razão ou explicação alguma, o que é um abuso de força de um regime que recorre à força para aferrar-se ao poder", sublinhou.

O presidente interino da Venezuela Juan Guaidó, reconhecido por vários países europeus e pelos EUA, também já reagiu à explusão da delegação.

“A delegação de deputados convidados à Venezuela é expulsa por um regime isolado e cada vez mais irracional”, escreveu no Twitter. “Vamos exercer toda a pressão necessária para conseguir a cessação da usurpação. Nós continuamos!”, acrescentou.

Já o porta-voz do Partido Popular espanhol, Esteban González Pons, que fazia parte da delegação, confirmou a expulsão e considerou que "a única explicação" para o sucedido é que Maduro "não os quer" no país.

O eurodeputado português Paulo Rangel, do PSD, também faria da mesma delegação, mas não chegou a embarcar para Caracas porque perdeu o voo de ligação entre Madrid e Caracas, devido à congestão de tráfego aéreo em Madrid.