Internacional

Família de Daniel Correa recebeu caixa com pénis um mês depois de ser assassinado

Jogador brasileiro do São Paulo foi assassinado a 27 de outubro.


Um mês após o assassinato do jogador do São Paulo, a família de Daniel Correa recebeu uma caixa com o pénis do atleta lá dentro.

Daniel Correa foi assassinado a 27 de outubro de uma forma bárbara depois de ter ido a uma festa de aniversário em São José dos Pinhais, no Brasil. 

De acordo com informações já recolhidas pela polícia brasileira, o jogador foi à festa de Allana Brittes, filha de Edison Brittes e terá sido no decorrer da festa que o jogador se deslocou a um quarto com Cristiana Brittes, mulher de Edison Brittes que já confessou o crime.

Segundo declarações de Edison prestadas à polícia brasileira Daniel Correa tentou violar a sua mulher e foi nesse momento que foi agredido por Edison e por vários convidados que se encontravam na festa de aniversário da filha. Posteriormente, o jogador foi colocado na bagageira de um carro e conduzido a uma zona de mato onde foi assassinado e lhe foi cortado o pénis.

A família do jogador acabou por fazer o funeral poucos dias após o crime. "Depois de 20 dias perguntei o que tinha sido feito com o corpo do Daniel, nós queríamos fazer um enterro completo. Foi-nos dito que depois o Instituto de Medicina Legal mandaria a parte cortada. Receber aquela caixa com o pénis cortado foi o pior dia da minha vida. Pelo que soube dos depoimentos, ele foi muito maltratado", disse a tia do jogador em tribunal.

Regina, a tia do jogador, contou ainda que a sua filha também viu o corpo do primo e ficou muito impressionada. "Ela disse-me 'mãe, ele está desfigurado de tanto que apanhou. O pescoço está cortado e é verdade que cortaram o pénis'."

Edison Brittes e Cristiana Brittes estão em prisão preventiva a aguardar julgamento.