Sociedade

Grupo K vai processar jovem que diz ter sido agredido por cinco seguranças

Proprietários do Urban Beach garantem que câmaras provam que acusações são falsas

Grupo K vai processar jovem que diz ter sido agredido por cinco seguranças

Artigo atualizado às 11h15

Um jovem de 22 anos alega que cinco seguranças da discoteca Urban Beach, em Lisboa, o espancaram durante mais de vinte minutos, no último sábado.

No entanto, fonte ligada ao Grupo K, que detém o espaço noturno, nega todas as acusações e garante que as imagens de videovigilância provam que os relatos do jovem, que foi convidado a sair, são falsos.

Aliás, a mesma fonte adiantou ao SOL, que irá apresentar em tribunal uma queixa contra o jovem, de ofensas à integridade física, acusando-o de ter tentado agredir os seguranças, e outra por difamação.

 A mesma fonte refere ainda que as câmaras de vigilância são 95, e que não há qualquer espaço na discoteca que não esteja a ser filmado, pelo que as imagens mostrarão que foi o jovem quem atacou os seguranças.

O jovem, segundo o Correio da Manhã, admite ter empurrado um dos seguranças, mas alega que depois foi atacado com violência por cinco homens.

A PSP foi chamada pelo cliente e pelos amigos, e já no local, de acordo com o mesmo jornal, pediu à gerência do Urban Beach as imagens da videovigilância, que, segundo fonte do Grupo K, provam que as acusações feitas aos seguranças são falsas.

Sublinhe-se que esta nova queixa de violência no Urban surge quando três ex-seguranças da discoteca estão em julgamento, no Campus de Justiça, em Lisboa, acusados do homicídio qualificado tentado de dois jovens. 

Os comentários estão desactivados.