Economia

Efisa envolvido em escândalo bolsista na Índia

O banco Efisa foi acusado de financiar a manipulação de ações na Índia, noticiou ontem a Business Standard, de Nova Deli. O caso remonta a setembro de 2005, quando a KEI Industries emitiu títulos num total de 10 milhões dólares, mas em junho de 2017 o regulador acusou a empresa e o seu conselho de administração de tentar enganar os investidores. Em causa está o número de subscrições destas ações. De acordo com o regulador, a KEI Industries indicou que estes títulos tinham sido comprados por vários investidores, quando apenas foram subscritos por uma única entidade: a Fusion Investments Ltd. E, acrescenta a notícia, o valor da subscrição foi pago pela Fusion após obter empréstimo do «banco Efisa de Portugal», através de um acordo de promessa entre a KEI e a instituição financeira.

Segundo a entidade reguladora indiana, há vários diretores da KEI Industries constituídos arguidos, por alegada violação das normas da PFUTP (Proibição de práticas fraudulentas e desleais).  

Curiosamente, este banco de investimento foi vendido esta semana por 27 milhões de euros, comentando-se nos bastidores que Abdool Vakil, presidente do banco Efisa em 2005 e atual presidente da Comunidade Islâmica em Lisboa, estará associado aos compradores árabes.