Internacional

Acordo para o Brexit volta a ser chumbado no parlamento britânico

A derrota por 391-242, a meros 17 dias da data limite, deixa em cima da mesa a escolha entre uma saída não negociada da UE ou um adiamento

O Parlamento britânico rejeitou hoje, pela segunda vez, o acordo de saída da União Europeia negociado pela primeira-ministra britânica, Theresa May. A derrota por 391-242, a meros 17 dias da data limite, deixa em cima da mesa a escolha entre uma saída não negociada da UE ou um adiamento. Quer seja para tentar renegociar com Bruxelas, para convocar novas eleições legislativas ou para votar um segundo referendo do Brexit.

A votação de uma saída não negociada é já amanhã. Este cenário é o mais improvável, com uma clara maioria de deputados contra, e também o mais imprevisível. Os detratores de uma saída não negociada apontam um cenário dramático a nível económico, tanto a nível da finança como de exportações. Já os conservadores eurocéticos mantêm a esperança que a rutura com a política comercial da UE, juntamente com o abandono da sua legislação laboral e ambiental, permita ao Reino Unido conquistar novos mercados, em particular entre os países anglófonos.

Parece certo que será pedida uma extensão da data de saída do Reino Unido, marcada para 29 de março. A situação torna-se menos óbvia quanto ao que vem a seguir. O Brexit não pode ser adiado para sempre. Como tal, Parlamento britânico, cujas forças políticas estão profundamente divididas, encontrar-se-á perante uma “decisão pouco invejável”, como afirmou May, logo a seguir à votação.