Sociedade

Incêndios regressam com o calor e já fizeram uma vítima mortal

Em Castro Daire fogo florestal levou à intervenção de uma centena de bombeiros. Em Oliveira de Azeméis um homem, que estaria a fazer uma queimada, morreu carbonizado

 

O calor ainda mal chegou ao território nacional e ao início da tarde de ontem em Castro Daire um incêndio com algumas proporções obrigou à intervenção de mais de uma centena de bombeiros, apoiados por três dezenas de veículos e cinco meios aéreos. As chamas viriam a ser controladas a meio da tarde. Uma tarde que foi fatal num outro fogo. Em Oliveira de Azeméis um homem morreu carbonizado - neste caso acredita-se que tudo tenha tido origem numa queimada. 

Chamas em Castro Daire

Segundo uma fonte do do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viseu confirmou à imprensa o alerta das chamas foi dado durante a hora de almoço, calculando-se que tenha tido início por volta das 13h na localidade de Ribolhos. Para o combate a este incêndio  foram logo deslocados diversos meios, sendo que com o desenrolar da tarde o número foi diminuindo, ainda que até a meio da tarde se tenham mantido cerca de uma centena de homens mobilizados.

As chamas, segundo confirmou ao Público fonte dos Bombeiros Voluntários de Castro Daire e o CDOS de Viseu foram extintas já pouco antes das 17h, altura em que o dispositivo ainda contava com 28 viaturas.

No local estiveram bombeiros das corporações de Castro Daire, de Lamego, de Vouzela, de São Pedro do Sul, de Moimenta da Beira e de Mangualde.

Até ao final do dia não era conhecida a origem do incêndio - sendo que a investigação do caso é da responsabilidade da Guarda Nacional Republicana. 

Homem morre carbonizado

Mas as chamas não atingiram apenas Castro Daire. Durante a tarde desta terça-feira um homem foi encontrado morto na sequência de um incêndio florestal em Macieira de Sarnes, Oliveira de Azeméis. A informação foi confirmada pelo Comando Distrital de Operações de Socorro de Aveiro.

Neste caso as chamas terão começado pelas 16h, obrigando à intervenção de mais de dezenas de homens e dez de viaturas. A estes meios juntaram-se ainda três aeronaves. Ao final da tarde eram já 47 os elementos que estavam no local apoiados por quase duas dezenas de carros - apesar de durante a tarde terem sido deslocados para o local cerca de 60 homens.

No decurso dos trabalhos, as autoridades encontraram um cadáver carbonizado. Até ao fecho desta edição ainda não tinha sido confirmada oficialmente a identificação da vítima mortal. Ainda assim, segundo o “JN”, o cadáver será de um homem natural de Arouca que estava a fazer uma queimada devidamente autorizada, tendo perdido o controlo da situação.  Segundo fonte dos bombeiros no local havia ventos fortes que inclusivamente prejudicaram o combate às chamas.

Este incêndio acabou por ser considerado dominado já perto das 18h. Neste caso, como houve uma vítima mortal, a investigação ficará a cargo da Polícia Judiciária.

Tal como o i noticiou esta segunda-feira, com a chegada da primavera, as previsões para esta semana apontam para a continuação do tempo quente. O aumento das temperaturas máximas, que começou a sentir-se no início da semana, deverá continuar mais alguns dias.

De acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), as noites continuarão, ainda assim, mais frias. 

Risco de incêndio elevado

De acordo com informação disponibilizada pelo site do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) esta teça-feira ainda se mantinham em risco de incêndio elevado São Brás de Alportel, Almodôvar, Tavira e Loulé. Apesar de ainda se estar fora do período crítico de incêndios, com este nível de risco ficam proibidas as queimadas extensivas.