Sociedade

A birra de Madonna por causa de um cavalo

“Já dei tanto a este país e quando peço um favor simples a resposta que obtenho é negativa”

Madonna não gostou de ser contrariada pelo presidente da Câmara de Sintra, que não deixou que entrassem com um cavalo num palácio setecentista, detido pela autarquia, nas gravações de um viceoclip da cantora.

Furiosa terá insistido com o seu agente, que estaria em Londres, para que resolvesse a questão. “Desculpa, minha rainha. Estou a fazer o meu melhor. Telefonei a muita gente e enviei várias mensagens. Infelizmente, o homem que pode decidir não está disponível, mas em alguma altura vai estar”, escreveu o empresário de Madonna, durante uma troca de mensagens reveladas pelo Correio da Manhã.

“Já dei tanto a este país e quando peço um favor simples, de facto para mostrar Portugal ao mundo, a resposta que obtenho é negativa”, lamentou-se a cantora noutro texto enviado ao agente. “A culpa é tua. Tu é que me convenceste a vir morar para cá”, escreveu ainda a ‘rainha da pop’.

Sublinhe-se que a Câmara de Sintra autorizou o pedido da produtora do vídeo de Madonna para a utilização da Quinta Nova da Assunção, para uma gravações, o que implicava fazer algumas modificações na decoração, também elas autorizadas. No entanto, para Basílio Horta, a entrada de um cavalo pelo palacete com mais de 150 anos, ficava para lá da linha do permissível.

“Não cabe na cabeça de ninguém deixar entrar um cavalo num palácio do século XVIII”, afirmou o autarca ao Expresso. "A Madonna é uma artista, mas o palácio é de todos e não é para ser estragado", prossegue, garantindo que "há coisas que o dinheiro não paga", acrescentou.

O presidente da Câmara de Sintra fez questão de sublinhar que "em condição nenhuma deixaria entrar um cavalo no palácio, não tem qualquer sentido!".

Basílio Horta confirmou ainda que a produtora e o próprio agente da cantora tentaram exercer pressão junto da autarquia. "Tentaram tudo, até disseram que iam falar com o primeiro-ministro", contou o autarca ao Expresso.