Sociedade

“Na primeira semana de maio, o Aleixo não terá lá ninguém”

Bairro do Aleixo fica vazio no início de maio, anunciou ontem Rui Moreira.

Rui Moreira, presidente da Câmara Municipal do Porto, anunciou ontem que o processo de realojamento das famílias do Bairro do Aleixo estará concluído no próximo mês. “O processo estará concluído no início de maio”, disse Rui Moreira, avançando que “só falta realojar 11 famílias”.

Durante a reunião pública camarária, a CDU pediu o ponto de situação do realojamento e o autarca garantiu que “as coisas estão a correr bem”.

Os terrenos do Bairro do Aleixo vão dar vida a novas construções que estão agora a cargo do Fundo Especial de Investimento Imobiliário. Como recompensa, o fundo criado para demolir o bairro comprometeu-se a criar uma bolsa de casas na cidade do Porto para as famílias que foram obrigadas a sair.

No entanto, as obras no Bairro do Leal ainda não começaram e o projeto de habitação para as Eirinhas só viu agora o licenciamento concluído, ao contrário daquelas que eram as expetativas da FundBox – entidade gestora do fundo –, que pretendia pôr em marcha a empreitada das habitações das Eirinhas ainda no mês de março. Feitas as contas, o fundo imobiliário criado em 2010 entregou em março à Câmara do Porto apenas dois dos cinco projetos de habitação social previstos para a reurbanização dos terrenos.

 

Bairro do Aleixo

O autarca que cumpre agora o segundo mandato sempre garantiu que as três torres do bairro só seriam demolidas depois da conclusão das casas para realojar os moradores. Em setembro do ano passado, Rui Moreira anunciou que, no prazo de seis meses, as 270 pessoas que viviam nas três torres do bairro seriam realojadas.

No entanto, em fevereiro de 2019, numa sessão da assembleia municipal, o presidente da Câmara Municipal do Porto admitiu que quase metade dos agregados ainda viviam no bairro. “Não conseguimos, nos seis meses que prevíamos, realojar todas as famílias”, disse na altura. Em causa estiveram as rusgas e detenções feitas pela polícia no bairro e também a complexidade do processo de realojamento. Recorde-se que o Bairro do Aleixo, freguesia de Lordelo do Ouro, é conhecido pelo tráfico de droga.

 

Demolição das torres

No bairro do Aleixo existiam cinco torres – duas foram demolidas, em 2011 e em 2013, ainda no mandato de Rui Rio –, restando agora apenas três. Durante a reunião de ontem, Rui Moreira anunciou que a demolição das três torres que restam não será feita por implosão. “Vamos desmontar as torres, o que demorará seis meses, mas é melhor em termos financeiros e ambientais”, justificou.