Tomar partido

As casas que eu pago para Medina oferecer

Os meus caros leitores já não se lembram do Grande Plano de Investimento sobre o qual eu escrevi aqui, pois não? É natural, passaram dois anos

António Costa e Fernando Medina receberam em outubro de 2016 os banqueiros do Banco Europeu de Investimento, os quais anunciaram que Lisboa era a primeira cidade da Europa a ter a honra de ter um grande empréstimo. 

«Foram anunciadas escolas, creches, parques de estacionamento, o plano de drenagem. O mirabolante plano consistia num gigante empréstimo de 250 milhões de euros, com a contrapartida de a CML gastar outros tantos 250 milhões. 500 milhões de euros a serem gastos entre 2016 e 2020, para serem pagos em vinte anos. Chamaram-lhe, naquela habilidade tão socialista de inventar nomes sonantes para banha da cobra, Grande Plano de Investimento» (Fernando Medina culpa o Tribunal de Contas, jornal SOL de 18/3/2017).

Tudo o que foi feito na cidade, dos trabalhos no eixo central até às obras nos bairros municipais, passando pelo projeto ‘uma praça em cada bairro’, foi com dinheiro emprestado. 

E foram necessários dois anos para as obras nos bairros municipais, feitas com o tal dinheiro emprestado pelo B E I, começarem a aparecer. Esta semana mesmo, surgiram as primeiras notícias de que Medina entregou 50 casas novas – e que vão ser oitocentas. 

Lá está: como passaram dois anos, a ninguém pareceu oportuno recordar que a Câmara pediu 40 milhões de euros emprestados para fazer obras e ‘oferecer casas novas’, empréstimo que os lisboetas vão andar a pagar durante duas gerações.  

Lisboa tem mais de 60 bairros municipais, sabia, caro leitor?

«Lisboa tem cerca de 500.000 residentes, cerca de 100.000 vivem em bairros municipais. Vamos então pedagogicamente e sem tabus falar deste universo que é propriedade e gerido pela CML. Em Lisboa, durante estes anos todos de governação socialista, não se apostou na reabilitação dos bairros municipais. Em outubro de 2016, a um ano de eleições, a Câmara endividou-se, tendo ido pedir 250 milhões ao BEI, que serão pagos em 20 anos. Destinou 40 milhões de euros para dois bairros municipais: o Bairro Padre Cruz e o Bairro da Boavista. E isto sucedeu porque, pela primeira vez, o BEI permitiu que o dinheiro fosse investido na recuperação de bairros. Aliás, isto mesmo foi confessado pela vereadora Paula Marques em entrevista ao Jornal de Negócios em dezembro de 2016. 

Isto é: foram pedidos ao BEI 40 milhões de euros para recuperar dois bairros municipais, que vão ser pagos pelos lisboetas durante 20 anos» (Os Bairros Municipais de Lisboa, jornal SOL de 28/10/2017). 

Recomendo-vos que vejam o vídeo do presidente Medina a entregar ‘as cinquenta casas novas’. Vejam bem, porque embora seja o presidente a ‘oferecer casas novas’, é o leitor que vai pagar aquilo tudo. E os seus filhos também.