Internacional

Já nasceu primeiro rinoceronte com recurso a inseminação artificial

Cria ainda não tem nome

Nasceu no Jardim Zoológico de Miami e tornou-se no primeiro bebé rinoceronte a nascer com recurso a inseminação artificial.

A cria, cujo sexo ainda não é conhecido, nasceu na última terça-feira, depois de uma gravidez de mais de 15 meses, e é o primeiro filho de Akuti, um rinoceronte Indiano fêmea, que tem sete anos.

Mãe e bebé aparentam estar bem de saúde. No entanto, a confirmação só chegará depois de realizados exames completos, e que, para já, ainda não podem ser feitos. "Só será feito quando a equipa sentir que é seguro separar o pequeno da sua mãe protetora pelos minutos que o exame dura...É crítico que mãe e filho consigam estabelecer um laço que por vezes é um desafio para as mães sem experiência", explicou o Zoo, citado pela CNN.

Segundo a estação televisiva norte-americana, que cita a Fundação Internacional do Rinoceronte, esta é uma história de sucesso, sobretudo porque existem apenas 3.500 rinocerontes desta espécie no mundo. O período de gestação dos rinocerontes Indianos é de 15 a 16 meses e as mães só dão à luz uma cria a cada dois ou três anos.

Tanto Akuti, a mãe, como o pai da cria, Suru, de 18 anos, nasceram no San Diego Safari Park e chegaram a Miami em 2016. No entanto, e depois de várias tentativas de acasalamento natural, em janeiro de 2018, os especialistas iniciaram um processo de inseminação artificial.

"Este nascimento raro não é só significativo para o Zoo de Miami, como é incrivelmente importante para os esforços internacionais de manter uma população saudável desta espécie vulnerável, sob cuidado humano, pelo mundo fora", realçou o zoo.

No ano passado, já haviam tentado uma inseminação artificial num rinoceronte Branco no Zoológico de Jacksonville, mas sem sucesso.