Sociedade

Mulher de Silva Pereira e mais três juntam-se a Sócrates na Operação Marquês

Domingos Farinho assumiu perante o MP trabalhar para Sócrates e ter escondido essa colaboração à Faculdade de Direito, para não pôr em causa o regime de exclusividade. A mulher, Jane Kirby, também é arguida. A mulher de Pedro Silva Pereira e o bloguer António Peixoto também já foram notificados como arguidos.  

Domingos Farinho, o professor que o Ministério Público suspeita ser o autor do livro de José Sócrates, a mulher de Silva Pereira e o bloguer António Peixoto vão ser constituídos arguidos por crimes de falsificação de documentos. O processo teve origem numa certidão extraída da Operação Marquês e terá como coarguidos José Sócrates, o empresário Rui Mão de Ferro e Jane Kirby, mulher de Domingos Farinho.

Além da obra citada, Farinho, professor da Faculdade de Direito de Lisboa, terá colaborado com o ex-governante na elaboração da sua tese de mestrado e na construção de outro livro cuja autoria foi assumida por José Sócrates. Por essa parceria intelectual, este pagou ao professor  95 mil euros. Segundo os dados apurados pelo MP, e para camuflar a origem do dinheiro, foi forjado inicialmente um contrato em que surge como beneficiário Rui Mão de Ferro, empresário da esfera de Carlos Santos Silva, suspeito de ser o barriga-de-aluguer da fortuna de Sócrates.

Num segundo momento, como Domingos Farinho tinha um regime de exclusividade com a Faculdade de Direito, as faturas começaram a ser passadas em nome de Jane Kirby, sua mulher, que por isso será também constituída arguida no processo.

Leia mais na edição impressa do SOL, já nas bancas