Economia

BdP. Em média, cada português tem dois cartões bancários

Relatório mostra que Portugal é o quarto país da União Europeia com mais cartões por habitante

No final de 2018, exisitam 23,6 milhões de cartões bancários ativos em Portugal, revela o Relatório dos Sistemas de Pagamentos de 2018 do Banco de Portugal. Ou seja, em média, cada habitante tinha dois cartões - a média da União Europeia (UE) é de 1,6 cartões por habitante.

Dos cartões ativos, 21,8 milhõeseram de débito e 8,5 tinham a funcionalidade de crédito. Além disso, 38% já possuía a tecnologia contactless, que permite apenas encostar o cartão ao terminal de pagamento e efetuar a transação, sem que seja necessário colocar um código.

“Entre os países da UE, em 2017, Portugal era o quarto país com maior número de cartões per capita”, refere o relatório.

Mais transferências Durante o ano passado, Portugal manteve a tendência de crescimento que se tem vindo a registar no que diz respeito aos pagamentos de retalho. Segundo dados revelados esta segunda-feira pelo Banco de Portugal, o Sistema de Compensação Interbancária (SICOI) contabilizou 2,7 mil milhões de operações, no valor de 491,5 mil milhões de euros. Estes valores representam um crescimento de 7,6% nas operações e 7,3% nos valores.

De acordo com os dados do Banco de Portugal, em 2018 foram realizadas 2368 milhões de operações com cartões, 180,2 milhões através de débitos diretos, 156,1 milhões através de transferências a crédito e 29,9 milhões com cheques. 

Os portugueses preferiam pagar com cartão, mas foi através das transferências a crédito que movimentavam mais dinheiro: com os cartões, foram pagos 125,3 mil milhões de euros, por comparação com os 249,3 mil milhões de euros através de transferências. Os débitos diretos movimentaram apenas 26 mil milhões de euros e os cheques 89,7 mil milhões de euros.

Das operações feitas com cartões, 1211,7 milhões dizem respeito a compras, num total de 46,9 mil milhões de euros. Foram realizadas 463,3 milhões de operações de baixo valor (como o pagamento de portagens ou de telefonemas), que correspondem a 1,2 mil milhões de euros. Quanto aos levantamentos, foram realizados 443,6 milhões, num total de 30,2 mil milhões de euros. Foram ainda feitos 196 milhões de pagamentos, que totalizaram uma quantia de 28,3 mil milhões de euros, e 43,9 milhões de transferências através de cartões, que movimentaram 15 mil milhões de euros.

9,4 vezes o PIB Mas não foram só os pagamentos de retalho que aumentaram: de acordo com os dados revelados pelo Banco de Portugal, foram processadas 2,2 milhões de oeprações entre instituições de crédito e com o Banco de Portugal, num total de 1,7 biliões de euros. “O valor processado correspondeu a 9,4 vezes o PIB português”, com base na estimativa rápida do Instituto Nacional de Estatística (INE), lê-se no relatório do banco central português.

“O número de operações liquidadas manteve a tendência de crescimento observada desde 2016. Aumentou 13,2% em relação a 2017, em virtude do incremento de 17,1% nas operações entre instituições participantes no sistema (em particular, nos pagamentos de clientes) e do acréscimo de 4,6% nas operações com o Banco de Portugal”, refere o relatório.