Internacional

Primeiro-ministro australiano atingido com um ovo

O motivo do protesto contra Scott Morrison terá sido o centro de detenção de refugiados na ilha de Manus, onde "as tentativas de suícidio são uma ocorrência diária", segundo um representante da Igreja

Uma mulher de 24 anos foi acusada de agressão por atingir com um ovo o primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, durante a campanha para as eleições australianas, marcadas para 18 de maio. A jovem aproximou-se do primeiro-ministro pelas costas, enquanto este falava aos jornalistas, e atingiu-o na parte de trás da cabeça, sendo de imediato removida das instalações pelos seguranças. A polícia encontrou uma pequena dose de marijuana ao revistar a jovem, que foi acusada também por posse de droga.   

Os motivos do protesto ainda não são conhecidos, apesar da mulher ter dito à imprensa, logo a seguir ao incidente, que as suas ações "falam por si mesmas", referindo a ilha de Manus, na Papua Nova Guiné, onde o Governo australiano mantém cerca de 500 refugiados detidos, sem qualquer tipo de acusação formal. Foi recentemente noticiada uma epidemia de suicídios no centro de detenção, tendo o secretário-geral da Conferência de Bispo Católicos da Papua Nova Guiné, Giorgio Licini, afirmado à RNZ Pacific que "as tentativas de suicídio são uma ocorrência diária" na ilha de Manus.  

Morrison reagiu ao incidente no Twitter, afirmando: "Só porque se tem uma diferença de opinião com alguém, não significa que se tenha de alinhar com este tipo de protestos muito feios. Temos de aprender a discordar melhor". O primeiro-ministro assegurou: "Vamos enfrentar este comportamento violento, seja destes ativistas cobardes que não respeitam ninguém, seja de sindicalistas militantes". O líder do Partido Trabalhista, Bill Shorten, já condenou o comportamento "chocante e escandaloso" da manifestante.

Já não é a primeira vez que manifestantes atiram ovos à cabeça de um político australiano acusado de xenofobia. Ainda em março, após o atentado em Christchurch, na Nova Zelândia -  em que 50 muçulmanos foram mortos por um terrorista de extrema-direita - o senador Fraser Anning levantou polémica, ao culpar a chegada de refugiados pelo ataque, acabando por ser atingido com um ovo na cabeça, em protesto contra as suas declarações. O responsável, Will Connolly, um rapaz de 17 anos, passou a estrela das redes sociais, sob a alcunha de "eggboy". A campanha de apoio ao "eggboy" no GoFundMe já recolheu mais de 47 mil dólares, que serviram para pagar as despesas legais de Connolly, que foi acusado de agressão. Segundo a página, o resto do dinheiro recolhido foi entregue a organizações de apoio às vítimas atentado de Christchurch, tendo outro tanto servido para Connoly "comprar mais ovos".