Desporto

Hugo Lopes participa no Rally de Portugal

Hugo Lopes e Nuno Mota Ribeiro disputarão o Vodafone Rally de Portugal e tentarão regressar aos lugares cimeiros do CPR 2WD

O jovem piloto de Viseu, Hugo Lopes anunciou esta terça-feira a sua participação no Rally de Portugal 2019, que faz parte do Campeonato do Mundo FIA de Ralis (WRC), já entre 30 de maio e 2 de junho.

Hugo Lopes e Nuno Mota Ribeiro disputarão o Vodafone Rally de Portugal e tentarão regressar aos lugares cimeiros do CPR 2WD.

A dupla beirã esteve durante este fim de semana no Rally de Mortágua, onde segundo o próprio Hugo Lopes, “tivemos muito azar, só que também mostrámos a nossa evolução”

Líder do Campeonato de Portugal de Ralis 2WD à chegada ao Rali de Mortágua, o jovem Hugo Lopes, de 21 ano, foi afetado pela quebra da transmissão do Peugeot 208 R2 logo na Super Especial de abertura.

Regressado em Super Rally, o piloto navegado por Nuno Mota Ribeiro deu excelentes indicações nos duros troços de sábado.

Depois dos pódios em Fafe e nos Açores, Hugo Lopes chegava a Mortágua apostado em defender a sua liderança do campeonato nacional de 2 Rodas Motrizes e demonstrar a evolução ao volante do Peugeot 208 R2, até porque a prova do Clube Automóvel do Centro é aquela que fica mais próxima da sua cidade natal, que é Viseu.

Mas o objetivo foi prejudicado pela quebra de uma transmissão logo na Super Especial que abriu o rali, obrigando Hugo Lopes e Nuno Mota Ribeiro a regressarem à prova no sábado em Super Rally.

“Tivemos mesmo muito azar porque a transmissão cedeu logo no início da primeira Super Especial”, disse o jovem piloto, afirmando que “a partir daí sabíamos que não poderíamos aproveitar a pontuação da classificação geral e que só nos restava tentar ganhar o maior número possível de troços no sábado”.

“Conseguimos ganhar logo a primeira especial do dia e depois estivemos sempre muito próximos dos mais rápidos, com adversários muito mais experientes nestes troços”, mas de acordo com Hugo Lopes, “durante a PEC8 partiu-se um amortecedor e tivemos mesmo de abandonar”.

“No fundo, foi muito azar porque em condições normais conseguimos mostrar o nosso andamento e a nossa evolução, acho que estamos a fazer um bom trabalho e agora vamos preparar o Rali de Portugal, que será outro desafio enorme pela extensão e dureza do rali”, salientou Hugo Lopes.