Vida

Kátia Aveiro sai em defesa de Fábio Coentrão

“Vejo gente tão triste (a ofender um jogador) por causa de um clube ...futebol não é isto ..".

A irmã de Cristiano Ronaldo Kátia Aveiro publicou um post no Facebook onde parece estar a defender Fábio Coentrão, que tem sido criticado devido às suas declarações após o jogo deste domingo entre o Benfica e o Rio Ave, clube que agora representa.

“Vejo gente tão triste (a ofender um jogador) por causa de um clube ...futebol não é isto ..tenho pena e fico triste de ver ( ler ) o que o povo triste faz por detrás de um teclado !!!”, escreveu Kátia Aveiro.

Para a irmã de CR7 é “lamentável” para o futebol português “ter adeptos cegos de raiva e sem noção de que os jogadores estão no campo para fazer o seu trabalho !!! Há e eles têm Família !!!”.

O antigo jogador das águias Fábio Coentrão viu ontem a sua equipa perder contra o Benfica por 2-3; não conformado com o resultado, deixou críticas à arbitragem e lamentou não ter tirado pontos ao seu ex-clube.

"Acho que voltámos a fazer um bom jogo perante uma boa equipa, mas agora estamos no fim do campeonato e eu olho para trás e é complicado jogar nestas condições. Viu-se no lance do 2-0. É falta evidente. Porque é que os árbitros não têm coragem de fazer aqui o mesmo que fazem às equipas grandes? É falta. Ponto final. Assim é ainda mais difícil. Mas o nosso futebol está assim. Este é o estado do nosso futebol. Só tenho pena de hoje não ter tirado pontos ao Benfica. Tenho muita pena", afirmou Coentrão.

Fábio Coentrão, que representou o Benfica de 2007 a 2011, sublinhou ainda que tem de haver uma "reflexão" no futebol português.

"É óbvio que contra uma equipa com o talento do Benfica custa sofrer o 2-0, assim ainda custa mais. O nosso futebol está assim em Portugal. Infelizmente, com muita pena minha. Isto tem de levar uma reflexão muito grande porque assim é muito complicado", concluiu o antigo jogador dos encarnados.

Sublinhe-se que com esta vitória no jogo contra o Rio Ave por 3-2, o Benfica fica a um ponto de conquistar o 37.º título.