Politica

PS ganha eleições no domingo e não é por poucochinho

Estudo da Eurosondagem-Associação Mutualista Montepio dá vantagem de 10 pontos ao PS sobre o PSD. Socialistas podem chegar aos 10 mandatos e sociais-democratas mantêm sete. Aliança e PAN devem ficar à beira da eleição.

Estudo da Eurosondagem-Associação Mutualista Montepio dá vantagem de 10 pontos ao PS sobre o PSD. Socialistas podem chegar aos 10 mandatos e sociais-democratas mantêm sete. Aliança e PAN devem ficar à beira da eleição.

Jogada política ou tiro de pólvora seca, a verdade é que surtiu efeito a ameaça de crise política de António Costa na sequência da aprovação na especialidade – por todos os partidos com assento parlamentar à esquerda e à direita do PS – da contagem de todo o tempo de serviço congelado aos professores.

Com efeito, comparado o estudo da Eurosondagem-Associação Mutualista Montepio de há um mês (nas vésperas da crise política – e publicada na edição de 4 de maio do semanário SOL) com a sondagem que agora se publica nestas páginas, só o PS sai reforçado na intenção de voto dos portugueses, que penalizam todos os demais partidos.

Assim, o partido de António Costa sobe 1,5% e, além de fixar em 10 pontos percentuais a vantagem sobre o PSD de Rui Rio, garante que a lista encabeçada por Pedro Marques conquistará, pelo menos, nove mandatos – estando, portanto, assegurada a eleição do portuense Manuel Pizarro.

A confirmarem-se estas projeções, quem está também garantido é o sétimo eurodeputado do PSD (lá continuará o decano Carlos Coelho a viajar para Estrasburgo e Bruxelas), os dois primeiros da CDU (João Ferreira e Sandra Pereira), o centrista Nuno Melo e a bloquista Marisa Matias.

Ou seja, segundo este estudo, dos 21 mandatos em disputa, falta apenas saber quem ficará com o último eurodeputado eleito.

E as dúvidas são muitas.

Embora  esteja fora de causa a eleição de um oitavo mandato pelos sociais-democratas ou um terceiro para os comunistas (que perdem um mandato em relação às eleições de 2015), PS, CDS e BE deverão disputar o último assento em Estrasburgo até quase à contagem da última mesa de voto.

Com hipóteses bem mais remotas, mas ainda com uma ténue esperança de lograrem o último eurodeputado em jogo no próximo domingo estão o Aliança e o PAN (ao contrário do PDR, de Marinho e Pinto, e do Basta, de André Ventura, que já não têm qualquer veleidade).