Sociedade

Advogada do Porto condenada por violência doméstica

Mulher batia, insultava e ameaçava a família

Uma advogada de 44 anos foi condenada, esta terça-feira, no tribunal de São João Novo, no Porto, a quatro anos e meio de pena suspensa. Estava acusada de vários crimes, entre eles violência doméstica, física e psicológica, que exercia sobre o marido e dois dos três filhos.

A filha mais nova do casal, segundo o documento da acusação, também terá sido alvo de agressões, no entanto tais alegações não foram provadas em tribunal.

Pelo contrário, os juízes consideraram que esta mãe ameaçava constantemente os dois outros filhos, um rapaz e uma rapariga, que sofriam ainda maus-tratos físicos.

O marido, igualmente vitima das agressões da mulher, também era advogado. A mulher era agressiva com ele, e demasiado autoritária, chegando duas vezes a ameaçá-lo com uma arma branca. O filho mais velho agiu várias vezes em prol da segurança do pai, de acordo com a TVI24.

Na leitura do acórdão do tribunal, momento em que a advogada não esteve presente, não tendo justificado a sua ausência, ficou provado que as agressões e os insultos cometidos contra o marido duraram mais de 20 anos. Ainda assim a situação piorou a partir de 2014, quando a mulher começou a beber álcool, em demasia. O casal estava casado desde 1992 mas em 2016 o marido deixou de viver na mesma casa que a mulher.

A mulher não compareceu em todas as sessões de julgamentos e a presidente do coletivo de juízes afirmou que esta havia revelado um grande desprezo pelas autoridades judiciárias. Utilizou a mesma expressão para classificar o que a advogada sentia pela própria família.

A advogada terá de pagar mil euros à APAV, no decorrer do tempo de pena, como sanção pelos seus crimes.