Economia

Sindicato dos trabalhadores de supermercados anuncia novos protestos

"A Associação Patronal (APED) e as empresas filiadas insistem que os trabalhadores terão de deixar de ter vida própria aceitando o banco de horas, caso contrário recusam a negociação dos aumentos dos salários”, denuncia o sindicato

O Sindicaro dos Trabalhadores do Comércio, Escritório e Serviços de Portugal (CESP) anunciou esta quinta-feira que está a preparar novas ações de luta contra a precariedade no setor.

“Todos os meses os trabalhadores destas empresas ‘esticam’ o salário para que chegue ao fim do mês. Empobrecem a trabalhar todos os dias. A Associação Patronal (APED) e as empresas filiadas insistem que os trabalhadores terão de deixar de ter vida própria aceitando o banco de horas, caso contrário recusam a negociação dos aumentos dos salários”, refere o comunicado enviado às redações.

Assim, ao longo do mês de junho, estão agendadas várias ações que visam a revisão do Contrato Colectivo de Trabalho. Já no próximo sábado, os trabalhadores do Pingo Doce do distrito de Braga estarão em greve. Está marcada uma concentraçãi junto ao Pingo Doce do Bragaparque para exigir “o aumento dos salários e o encerramento do comércio aos domingos e feriados”, lê-se na nota.

No mesmo dia, às 10h00, está marcada uma concentração junto ao Pingo Doce da Bela Vista, em Lisboa. Os trabalhadores reivindicam “o aumento dos salários, contra as discriminações, a pressão e repressão no local de trabalho”.

Nos restantes dias de junho, irão realizar-se “ações de luta no Intermarché, C&A, Lidl, Jumbo, Continente, Fnac, Dia Minipreço”, revela o CESP, sem adiantar pormenores quanto às datas.