Cultura

Ed Sheeran multiplica talento e não deixa nada por dividir no Estádio da Luz

Antes de Sheeran, somente os Pink Floyd e os U2 deram dois concertos consecutivos em estádios. E, verdade seja dita, já passaram 25 e 9 anos, respetivamente. Agora, foi a vez de Teddy, como é carinhosamente apelidado pelos fãs, encher o Estádio da Luz.

Na estrada desde março de 2017, para promover o terceiro álbum de estúdio – 'Divide' – um dos maiores fenómenos musicais da atualidade estreou-se a solo, em território português. Edward Christopher Sheeran, conhecido como Ed Sheeran, já tinha passado pela edição de 2014 do Rock In Rio mas, no sábado à noite, o cantor e compositor de Halifax provou como consegue deixar 120.716 rendidos à sua mestria musical.

Antes de Sheeran, somente os Pink Floyd e os U2 deram dois concertos consecutivos em estádios. E, verdade seja dita, já passaram 25 e 9 anos, respetivamente. Agora, foi a vez de Teddy, como é carinhosamente apelidado pelos fãs, encher o Estádio da Luz.

Às 21h em ponto, soaram os primeiros acordes de 'Castle On The Hill'. A música que constitui uma ode à infância e à adolescência, através da qual podemos viajar por momentos característicos como o primeiro beijo, remete-nos ao passado de Sheeran em Framlingham. De partir um pé aos seis anos até encontrar amigos de há muito, é certo que a plateia ficou com vontade de revisitar os bons velhos tempos.

“I used to think that nothing could be better than touring the world with my songs / I chased the pictured perfect life, I think they painted it wrong”. Da pressão que se sente na indústria musical, passando pela tentative de afogar as mágoas recorrendo ao álcool, Sheeran permite-nos entrar num universo onde a fama e as relações malfadadas andam a par e passo com o crescimento da sabedoria. Essa, começou a ser adquirida com o lançamento do single 'The A Team', em 2011, uma balada folk em que entendemos os meandros do quotidiano de uma prostituta viciada em cocaína e noutras drogas da classe A. Escrita após o cantor ter visitado um abrigo para pessoas desfavorecidas, traveste uma triste realidade por meio de uma batida otimista.

Curiosamente, o jogo de mesa predileto do artista é o Monopólio e, a partir do remix de 'Don’t' com 'New Man', foi notório que mesmo numa situação de concorrência perfeita, Sheeran sagrar-se-ia vencedor. Numa maximização musical do lucro, avançou para 'Dive' e levou o público à apoteose com um refrão que encaixa na perfeição na vida de qualquer um.

Em 2014, Sheeran foi nomeado para Best New Artist na edição dos 56ª Annual Grammy Awards. No mesmo ano, avançou com o álbum 'Multiply', onde está incluída a canção 'Bloodstream': quando o ecstasy se encontra no sistema sanguíneo, os efeitos mais comuns são o aumento da empatia, do estado de euforia e da sensação de prazer. Para Sheeran, foi apenas “algo estranho” que resultou musicado.

“'Cause I don't care when I'm with my baby, yeah / All the bad things disappear” – 'I Don’t Care', criada juntamente com Justin Bieber, faz parte do projeto 'No.6 Collaborations', que estará disponível para venda no próximo mês de julho. “Agora, cantem o mais alto possível, quero ver-vos com as mãos no ar” pediu antes de partilhar com o público português a canção que escreveu sobre os Grammy Awards de 2013, um evento onde sentiu tudo menos vontade de conversar com quem lá estava: o seu único desejo era descobrir os olhos azuis da namorada, “Beth”. Assim, surgiu 'Tenerife Sea', muitas das vezes comparada com “Wonderful Tonight” de Eric Clapton e “In Those Jeans” de Ginuwine.

“I'm out of touch, I'm out of love / I'll pick you up when you're getting down / And out of all these things I've done I think I love you better now” – Sheeran é um fã assumido dos brinquedos Lego. Corrija-se: apaixonado pela marca dinamarquesa que já chegou a arruinar-lhe um encontro pois, verdade seja dita, quem é que se faz acompanhar de um conjunto das pequenas peças para uma ocasião especial? Contudo, o autor de 'Plus' conseguiu conjugar a paixão que nutre pelos brinquedos com a metáfora da destruição lenta de uma relação amorosa: como é que se conserta algo que cai como uma construção da Lego?

Talvez com um beijo: e se o pico do romantismo parecia ter sido atingido previamente, passagens como “And your heart's against my chest, your lips pressed in my neck / I'm falling for your eyes, but they don't know me yet” arrebataram os corações mais frágeis.

Sublinhe-se que Sheeran alcançou a popularidade, no exterior, ao colaborar com Taylor Swift no seu quarto álbum de estúdio e ao compor canções para a banda One Direction. Passando uma grande parte de 2013 em tour, com Swift, pela América do Norte, Teddy começou a entender a dinâmica necessária para conquistar o público. Porém a receita para o sucesso já havia sido desvendada em 2012, com 'Give Me Love'. Numa incursão pelo conceito de amor e pela forma como nos deixamos envolver por esse mesmo sentimento, é fácil perceber que tal, como muitos de nós, Sheeran também já procurou um alívio temporário para a solidão que teima em persistir.

Em 2014, com Multiply, Sheeran chegou ao número um no UK Albums Chart e na Billboard US 200. Mas, sublinhe-se, em 2013 já tinha saboreado o estrelato ao produzir 'I See Fire' para o filme 'The Hobbit: The Desolation Of Smaug'. Após um pequeno périplo por uma fantástica épica, um toque de esperança com 'Thinking Out Loud' foi a escolha ideal pois, tal como Sheeran referiu, “quem não sabe esta música, está no concerto errado”. De facto, um casal protagonizou um momento inesquecível de dança na plateia, o que valeu uma onda de aplausos.

E para um amor estar sempre vivo, o que se deve fazer? Eternizar vivências por entre imagens pode constituir uma opção para quem crê no congelamento do tempo com auxílio das fotografias. Se será perfeito? Isso, prende-se com a possibilidade de dançar no escuro e sentir os pés assentes na relva.

Divide é um estrondoso sucesso comercial. Aliás, é de sublinhar que se manteve no primeiro lugar das tabelas de singles de países como o Reino Unido e os EUA durante meses. Com a narrativa da história dos avós, William Sheeran – um protestante de Belfast – e Anne Sheeran, uma católica irlandesa, o cantor transportou-nos até à Wexford da II Guerra Mundial ao interpretar 'Nancy Mulligan'.

E se “quem canta, seus males espanta”, o inglês conquistou a cem por cento os portugueses com todos os seus bens. Bom, por duas razões específicas: em primeiro lugar, tal como Sheeran revelou à BBC Radio, “ama-se ou odeia-se a 'Sing' mas, pelo menos, as pessoas falam sobre ela” e, em segundo lugar, porque abandonou o palco por breves instantes para vestir uma camisola da seleção nacional.

É certo e sabido que a atração sexual pode conduzir a uma relação mais profunda todavia, em 'Shape Of You', Sheeran abandona o seu lado mais sensível e aventura-se por um território em que o estereótipo da estrutura pop reina. E é bem-sucedido.

Poderíamos necessitar de Sheeran e ele não precisar de nós – ou vice-versa – mas, na simbiose vivida no Estádio da Luz, não havia espaço para sufoco mas sim para a liberdade: de pensar que, este domingo, o “adeus, Portugal, até à próxima” seja sinónimo de outro inspirador espetáculo.