Desporto

José Antonio Reyes. Lágrimas e cânticos no último adeus

Velório do jogador espanhol no Estádio Ramón Sánchez-Pizjuán (Sevilha). Milhares de pessoas marcaram presença nas imediações da casa do emblema andaluz na hora da despedida.

AFP
AFP
AFP
AFP

“Não podíamos dar uma notícia pior. Faleceu num acidente de viação o nosso querido José Antonio Reyes. Descanse em paz”. Ao início da tarde de sábado, dia 1 de junho, a mensagem era publicada nas redes sociais do Sevilha, a equipa que viu Reyes nascer no futebol. Em dia de final de Champions, numa decisão feita entre Tottenham e Liverpool, o mundo do futebol ficava em choque com a morte do jogador espanhol de 35 anos. 

Ficou entretanto a saber-se que Reyes morreu num acidente de viação em Utrera (Sevilha), de onde era natural. O carro que o ex-jogador conduzia, um Mercedes Brabus S550, de 380 cavalos de potência, despistou-se, saiu da estrada, capotou e incendiou-se de seguida. Do acidente resultaram ainda mais duas vítimas mortais, dois primos do jogador que também seguiam dentro da viatura. Jonathan Reyes morreu no local e Juan Manuel Calderón acabaria por falecer já no hospital, para onde tinha sido transportado em estado muito grave, com mais de 65% de queimaduras no corpo.

De acordo com a imprensa espanhola, as primeiras investigações apontam como causa do acidente o excesso de velocidade, referindo que o Mercedes conduzido pelo atleta seguia a mais de 200 km/h.
Os carros desportivos de alta cilindrada eram, aliás, uma das paixões do antigo jogador andaluz, que durante a sua passagem pelo futebol inglês chegou a adquirir cerca de uma dezena de carros de luxo, todos eles de grande potência.
José Antonio Reyes deixa três filhos menores: o mais velho, José Antonio, de 11 anos, fruto de uma relação anterior. Do atual casamento, nasceram duas meninas, Noélia, de cinco anos, e Triana, de dois.

Uma carreira de sucesso Formado no Sevilha, Reyes foi o jogador mais jovem a atuar no principal escalão do futebol pelo Sevilha, com apenas 16 anos. Na época 2003/04, o espanhol foi transferido para o Arsenal por 25 milhões de euros – um valor recorde à época. Ao serviço do clube inglês, o antigo extremo ganhou um campeonato inglês (2004) – tornando-se o primeiro jogador espanhol a vencer o campeonato em Inglaterra –, uma Taça e uma Supertaça de Inglaterra (ambas em 2005). 

Foi entretanto vendido ao Real Madrid (2006), onde ganhou um campeonato espanhol (2006/07). Antes de chegar ao Benfica de Quique Flores, em 2008/09 (conquistou uma Taça da Liga), Reyes passou pelo Atlético Madrid (2007/08). Depois da passagem pelos encarnados, o futebolista voltou a fazer parte do plantel colchonero e regressou também ao emblema andaluz onde se formou; jogou depois nos espanhóis do Espanyol e do Córdoba, alinhou pelos chineses do Xinjiang e no Extremadura UD – clube da 2.a divisão espanhola que representava desde janeiro de 2019. 
Reyes fica também na história do futebol como o jogador recordista de troféus conquistados na Liga Europa, que venceu por cinco vezes (três pelo Sevilha e duas pelo Atlético Madrid). Além disso, o espanhol conta ainda como uma Supertaça europeia no currículo ao serviço do Atlético Madrid (2010/11). 

No que diz respeito à sua carreira na seleção espanhola, o avançado somou 22 internacionalizações (e quatro golos), após a sua estreia em 2003, num jogo frente a Portugal que os espanhóis venceram por 3-0. 

A “alegria” e o “sorriso” ficam As reações ao falecimento do espanhol multiplicaram-se nas redes sociais e na imprensa. Clubes, instituições, dirigentes, jogadores e antigos colegas mostraram-se profundamente chocados com a morte do atleta, que prometem agora manter vivo nas recordações da “alegria de viver” e do “sorriso” do jogador. Entre as várias mensagens, porém, houve uma que deu que falar em Espanha. Santiago Cañizares, antigo guarda-redes, escreveu no Twitter que “circular com excesso de velocidade é uma atitude reprovável”, adiantando que “Reyes não merece uma homenagem como se fosse um herói”. “No acidente houve mais vítimas além do condutor. Mas isso não impede que lamente o que aconteceu e reze pelas suas almas”.

Após ter tornado pública a sua mensagem, Cañizares foi alvo de duras críticas, pelo que o ex-internacional espanhol optou por fazer um esclarecimento sobre a sua posição: “Talvez não me tenha explicado bem. Claro que [Reyes] merece uma homenagem e uma grande recordação pela sua carreira e tudo o que deu ao futebol”.

Reyes fez o seu último jogo a 18 de maio, com uma vitória por 1-0 contra o Alcorcón. O Extremadura tinha um jogo marcado contra o Cádiz para este domingo, entretanto adiado, para o qual o avançado não tinha sido convocado. 
O corpo de José Antonio Reyes esteve ontem em câmara ardente no Estádio Ramón Sánchez-Pizjuán, onde milhares de pessoas fizeram questão de marcar presença para o último adeus ao jogador. O funeral acontece na manhã desta segunda-feira, em Utrera, sua terra natal.

Citações:

“Recordar-te-ei com o sorriso no teu rosto, amigo. Estou muito triste com esta notícia terrível”
Coke, ex-jogador do Sevilha, atualmente no Levante

“Irmão, só Deus sabe porque te levou tão cedo deste mundo. Viverás no meu coração para o resto dos meus dias”
Ivan Rakitic, ex-jogador do Sevilha, atualmente no Barcelona

“Profundamente triste e sem palavras ao saber desta trágica notícia. Nunca esquecerei a tua magia e o teu sorriso, José, nunca”
Unai Emery, treinador do Arsenal

“Foi em choque e com profunda tristeza e consternação que tomámos conhecimento do fatídico acidente que vitimou o nosso ex-jogador José Antonio Reyes. O atleta e homem exemplar ficará para sempre na nossa memória”
Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica

“José foi uma figura muitíssimo popular no nosso clube e terá sempre um lugar especial guardado nos nossos corações”
Arsenal