Internacional

Polícia de Hong Kong ataca manifestantes

A população continua a reagir contra a lei de extradições. A polícia não teve meias medidas e disparou gás lacrimogéneo e balas de borracha.

Os protestos em Hong Kong contra o controverso projeto de lei de extradições - que prevê que quaisquer suspeitos de atividade criminal sejam extraditados para julgamento na China “continental” -, resvalaram caoticamente para a violência esta quarta-feira. A polícia disparou balas de borracha, lançou gás lacrimógeneo e canhões de água contra os manifestantes, tornando as ruas do centro financeiro chinês numa autêntica zona de batalha.

As imagens mostravam dezenas de milhares de pessoas com máscaras e guarda-chuvas, fazendo lembrar o levantamento pacífico de desobediência civil a favor da democracia no antigo protetorado britânico, em 2014, que ficou conhecido simbolicamente como a “Revolução dos guarda-chuvas”. O levantamento civil começou no domingo passado, juntando mais de um milhão de pessoas numa cidade com uma população total de sete milhões, um dos maiores protestos da história de Hong Kong, e seguramente o maior desde a transferência de soberania do Reino Unido para a China, em 1997. Tal facto será, por sua vez, uma das razões pela qual a cidade tem um sistema semi-autónomo de Pequim - “Um país, dois sistemas -, que confere um grau de liberdade maior do que no “continente”.

Enquanto os cidadãos acampavam à volta da Assembleia Legislativa para impedir que a legislação avançasse, a polícia reagiu de forma violenta, tentando afastar os manifestantes do edifício, e acabando por utilizá-lo como uma autêntica barricada para atacar os protestantes. “Como se atrevem a ocupar o nosso Parlamento”, gritavam os deputados da oposição a Pequim aos polícias, segundo a BBC.

Os jornalistas do South China Morning Post queixaram-se de serem revistados pela polícia, apesar de terem a carteira jornalística e a devida identificação. Por outro lado, a Associação de Jornalistas de Hong Kong acusou a polícia de “ignorar totalmente a segurança dos jornalistas e atropelar severamente o direito de reportar”, lia-se no comunicado.

Já a Frente dos Direitos Humanos, o grupo que organizou os protestos de domingo, atacou o Executivo do antigo território do Reino Unido: “O povo de Hong Kong não criou tumultos. O protesto de hoje é da inteira responsabilidade de Carrie Lam [a chefe do Executivo de Hong Kong], que desprezou o milhão de pessoas que tomou as ruas, e a sua recusa de cancelar a legislação”.

No meio de ameaças de morte e de acusações de estar refém do poder de Pequim, Lam continua a defender a lei. “Como é que me podem acusar de traição? Eu cresci aqui com o povo de Hong Kong. O meu amor por este lugar levou-me a fazer imensos sacrifícios pessoais”, disse Lam, emocionada, numa entrevista a uma estação local antes da violência irromper.   Entretanto, durante o dia, a polícia conseguiu afastar os manifestantes da área da Assembleia Legislativa, puxando-os para fora do centro. Contudo, os manifestantes foram ocupando as estradas da cidade conseguindo bloqueá-las e formando barricadas.

Várias fações da sociedade de Hong Kong temem que esta lei se torne num instrumento poderoso para Pequim - que anunciou o seu “firme” apoio à lei - controlar, deter e intimidar ativistas e jornalistas críticos do regime. A reação cidadã forçou, até agora, o adiamento da lei.