Internacional

Foi abusada sexualmente aos 13 anos. Agora, quer ajudar a tornar “o amanhã mais seguro”

Claudia Barber, residente em Middlesbrough, no nordeste de Inglaterra, foi forçada a acompanhar os dois agressores até uma floresta. 

“Aos 13 anos, fui violada. A 22 de abril de 2012, encontrei-me com um rapaz com quem falava há várias semanas online. Levei calções cor de rosa com carros e carrinhas desenhados, um top, um casaco e uns saltos. Saí do autocarro e percebi que o meu ‘amigo’ não estava sozinho” – é desta forma que Claudia Barber, atualmente com 21 anos, começa por descrever os abusos sexuais de que foi vítima na página da sua organização “Beyond Reasonable Doubt” (BRD).

A britânica, residente em Middlesbrough, no nordeste de Inglaterra, foi forçada a acompanhar os dois agressores até uma floresta. A verdade é que tinha conhecido Brandon Bowmaker alguns dias antes e, na tentativa de o impressionar, decidiu envolver-se sexualmente com ele devido à falta de autoestima. No entanto, na zona florestal, a situação foi distinta: com o rapaz de 15 anos, estava Callum Dowson da mesma idade. “Disseram-me que se não fizesse sexo com eles, deixar-me-iam sozinha naquele sítio escuro onde não passava ninguém” explicou Barber ao The Mirror.

A jovem, que entrou em Medicina na Universidade de Newcastle mas decidiu trabalhar como empregada de mesa para juntar dinheiro porque “estava sob demasiado stress”, adiantou que Bowmaker rasgou os seus calções e pressionou o seu corpo contra o chão. “Exigiu que eu fingisse que estava a gostar. Esperava que o Callum me ajudasse, mas ficou a assistir enquanto aguardava a sua vez”. Os criminosos violaram a então adolescente de forma alternada, abandonando-a no fim.

Há cinco anos, Bowmaker contactou Barber no Facebook para propor um encontro. A rapariga ignorou a mensagem e bloqueou o perfil do agressor. Contudo, em setembro de 2015, encontrou-o a caminho de casa: “Aí, as memórias regressaram e contei ao meu pai que tinha sido violada. Ele quis chamar a polícia mas eu estava aterrorizada”, confessou ao The Sun. Dois anos depois, em fevereiro de 2017, Barber estava a trabalhar num bar quando Bowmaker entrou. Implorou a uma colega que o servisse, no entanto, quando saiu do local de trabalho e se foi divertir após o turno, encontrou o rapaz também num clube noturno.  Nesse dia, Barber decidiu que apresentaria queixa.

Em agosto de 2018, Bowmaker e Dowson, ambos naturais de Guisborough em North Yorkshire foram acusados do crime de violação e condenados, cada um, a quatro anos de prisão. No entanto, no tribunal de Teesside, os homens afirmaram que “o sexo foi consensual”, chegando mesmo a dizer que não conheciam a vítima.

“Passei anos a ser assombrada por aquilo que me fizeram. Posso finalmente seguir em frente” assegurou a jovem que criou a BRD com o objetivo de “trabalhar com outras vítimas de assédio e abuso sexual e tornar o amanhã mais seguro”.