Internacional

Como uma discussão 'acesa' com a namorada pode estar a condenar a candidatura de Johnson a primeiro-ministro

O facto de Johnson nem Symonds terem explicado o que sucedeu na sua casa para obrigar os vizinhos a chamar a polícia, tem criado uma grande polémica em volta da situação.

Depois de as autoridades inglesas se terem dirigido à casa de Boris Johnson, na madrugada de sexta-feira, devido a uma queixa dos vizinhos sobre uma discussão ‘acesa’ entre o candidato a primeiro-ministro e a namorada, Carrie Symonds, a popularidade de Johnson tem vindo a diminuir.

“As pessoas não querem saber nada sobre isso [a discussão]. Acho que preferem ouvir os meus planos para o país e para o partido”. Foi desta forma que Boris Johnson reagiu às perguntas sobre o acontecimento, citando a BBC. No entanto, o candidato parece não ter razão e na verdade, os números mostram o contrário da sua afirmação.

As pessoas parecem realmente importar-se com o aconteceu na madrugada de sexta-feira, visto o número de apoiantes estar a diminuir, de acordo com uma sondagem do Daily Mail. Desde quinta-feira, o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido passou de uma vantagem de 27 para 11 pontos percentuais.

O facto de Johnson nem Symonds terem explicado o que sucedeu para obrigar os vizinhos a chamar a polícia, tem criado uma grande polémica em volta da situação. O ex-ministro dos Negócios Estrangeiros Alan Duncain questiona o porquê do candidato não oferecer explicações sobre o incidente. “Ele tem agora um grande ponto de interrogação em cima da cabeça”, o que, aliado “à falta de disciplina que marcou a sua carreira”, pode tornar o caminho do candidato até ao poder dificíl

Também o ex-ministro conservador, Malcolm Rifkind condena a discrição de Johnson. “Se alguém é candidato a primeiro-ministro e tem a polícia a ser chamada a sua casa — de forma justa ou injusta, o que interessa neste caso é que se tratou de uma visita policial — não pode responder apenas que não tem comentários a fazer. Isso pode significar que o candidato tem algo a esconder ou que não quer divulgar ”, declarou à BBC.

O vizinho do candidato, que tem registo áudio da discussão, garante que ouviu Carrie Symonds a gritar com Boris Johnson: "larga-me" e "sai do meu apartamento". Explica que ficou preocupado e que foi bater à porta do candidato à liderança dos conservadores britânicos. Como não obteve resposta decidiu chamar a polícia, que mobilizou dois carros e uma carrinha, que chegaram poucos minutos depois do alerta.