Sociedade

MAC sem anestesiologistas para garantir cirurgia no verão. ARS diz que será encontrada solução

Plano das maternidades para o verão continua em estudo, mas presidente da ARS de Lisboa e Vale do Tejo garante ao i que não haverá encerramento por tempo indeterminado do bloco de cirurgia ginecológica.

A Maternidade Alfredo da Costa, em Lisboa, não tem anestesiologistas para assegurar as escalas durante o verão e um dos cenários é agora o encerramento do bloco de cirurgia ginecológica a partir do próximo dia 15 de julho, por tempo indeterminado.

O ponto de situação foi feito esta manhã à RTP pela médica obstetra Teresinha Simões. "Por tempo indeterminado, a partir do dia 15 de julho, não há bloco de ginecologia. As senhoras que precisem de cirurgia ginecológica não podem ser operadas. Não se pode deixar de fazer uma cesariana, mas pode adiar-se uma histerectomia (extração do útero) ou retirar um quisto do ovário, mas são situações muito desagradáveis. As pessoas estão em lista de espera há não sei quanto tempo e de repente dizemos que não podem ser operadas porque não há anestesistas", disse a médica, chefe de equipa na Maternidade Alfredo da Costa.

A previsão de encerramento do bloco cirúrgico surge numa altura em que ainda não é conhecido o plano de funcionamento das maternidades de Lisboa durante o verão.

A falta de obstetras e anestesiologistas na MAC, no Santa Maria, no São Francisco Xavier e no Amadora-Sintra levou a ARS e as administrações dos hospitais a equacionar um fecho rotativo das admissões externas nas urgências, solução contestada pelos médicos. A Ordem dos Médicos propôs na semana passada à Administração Regional de Saúde o recurso a mais horas extraordinária e contratação de serviços médicos externos, mediante uma subida do valor pago aos clínicos.

Luís Pisco, presidente da Administração Regional de Lisboa e Vale do Tejo, garantiu ao i que as soluções para as urgências estão ainda em análise. Em relação às notícias que dão conta do encerramento do bloco cirúrgico na Maternidade Alfredoda Costa, o responsável assegura que não há nenhuma decisão tomada, afastando qualquer cenário de fecho por tempo indeterminado. "Seguramente que não vai fechar", disse ao i o responsável. "Terá de se encontrar uma solução".

A possibilidade de novas contratações de médicos para estes hospitais é um dos temas de uma reunião prevista para esta tarde no Ministério da Saúde.