Opiniao

Nepotismo, corrupção & Ca.

Não tenho forma de apontar os anos em que a corrupção foi maior, mas não estranharei se me disserem que o boom esteve nos governos de Cavaco, Guterres e Barroso, em que a impunidade assentou arraiais. 

Quem viveu a revolução de Abril recorda que um dos eixos da mudança estava em extirpar as ‘sociedades de favorecimento mútuo’, que tinham prosperado num país de feudos e castas. Eram boas as intenções.

Quarenta anos passados, o país dá-se conta de que o comércio dos privilégios volta a ser moeda corrente. Grita-se contra o nepotismo, como se fosse um pecado do século XXI. Aos escandalizados, talvez valha a pena mostrar as ‘Resoluções dos Conselhos de Ministros de Vasco Gonçalves’, com nomeações de primos e sobrinhos às carradas.

Homem sábio, o professor José Hermano Saraiva explicou-me um dia o funcionamento do regime sucessório, que, em sua tese, herdámos das lutas liberais. 

Perante a alternância de quem reinava, as famílias possidentes cuidavam de plantar os seus rebentos na ‘situação’ e na ‘oposição’, de tal sorte que, mudando o regime, os apelidos se mantinham colados ao poder, muitas vezes saindo o pai para entrar um filho. 

Passaram duzentos anos e... mais do mesmo. Os nepotes terão mais mérito? Não têm! Sabem é usar nomes e influências, e são lestos a movimentar-se. 

Abusos do passado não desculpam os do presente - e só são aqui chamados para informar quem não viveu esses tempos, e moderar as comoções desatadas a cada novo escândalo. 

Falando em corrupção. Anda o país exaltado com a notícia de que estamos na cauda da Europa na aplicação das recomendações do GRECO (Grupo de Estados Contra a Corrupção), trazendo à evidência que em Portugal nada se faz para a combater. 

Não tenho forma de apontar os anos em que a corrupção foi maior, mas não estranharei se me disserem que o boom esteve nos governos de Cavaco, Guterres e Barroso, em que a impunidade assentou arraiais. 

Andavam, então, os maiorais do Ministério Público ocupados com a promoção pessoal que os tornaria importantes, a ponto de aparecerem lado a lado com os notáveis do reino nas revistas cor-de-rosa. Tão distraídos, que se esqueceram do dever de investigar, deixando passar incólumes casos de enriquecimento súbito... porque aos amigos não se pergunta a origem do dinheiro.

O que saía nos jornais era expeditamente varrido para debaixo do tapete: venda de lotes para construção na encosta do Restelo, a vereadores, familiares e amigos; batota na atribuição de apartamentos recuperados pela CML na zona do Camões; deslocamento para o interior da mancha de proteção da Serra de Sintra, de forma a libertar lotes sobre a praia, adquiridos por correligionários da senhora que mandava na Câmara. De tudo se viu, naqueles anos do mais descarado fartar vilanagem. 

No futebol, quem falha é despedido; no MP, o arbítrio enquista-se e o comércio das fugas de informação prospera. 

Se no horizonte surge a mais ténue ameaça à corporação, cerram-se fileiras e arma-se um rebuliço nacional em defesa da celebrada autonomia do MP - o nome de código que perpetua a ausência de escrutínio.