Sociedade

Marcelo Rebelo de Sousa é a favor das touradas?

A Câmara de Lisboa decidiu tapar e alterar o símbolo do ‘toureiro’ e do ‘touro’ nas placas de indicação do Campo Pequeno. Prótoiro fala em ‘censura’, CDS quer explicações e autarquia diz que a ‘realidade mudou’. No Parlamento, está tudo a postos para a discussão das touradas na próxima legislatura. Marcelo sempre foi a favor e até elogiou ‘faenas sensacionais’ que terminaram com morte do touro.


Ao contrário do partidos e do primeiro-ministro, o Presidente da República ainda não quis assumir formalmente nenhuma posição sobre o tema. Mas, em 2015, antes de ter confirmado a candidatura à Presidência da República, Marcelo admitiu ser aficionado  das touradas, incluindo dos espetáculos com touros de morte. «Já assisti diversas vezes a faenas sensacionais que terminaram com a morte do toiro, sobretudo em Espanha, e não me lembro de ter ficado indignado com o facto», afirmou em declarações ao jornal O Mirante. Na altura, Marcelo citou os exemplos de Manuel Alegre e de Pablo Picasso como homens de esquerda desfesores da ‘festa brava’ e considerou ainda «incompreensível» haver «pessoas e movimentos que se opõem à realização de touradas em Portugal».

O SOL questionou Belém sobre esta matéria, mas até à hora de fecho desta edição  não recebeu qualquer resposta.
Entretanto, a Prótoiro garantiu ao SOL que o Presidente aceitou o pedido de audiência da associação enviado a 7 de novembro de 2018, mas ainda não a agendou. A Prótoiro considera que o chefe de Estado já «devia ter tido uma posição mais clara, porque é a sua obrigação enquanto garante da Constituição», disse ao SOL Hélder Milheiro.