Política a Sério

Os portugueses são racistas?

Nunca corremos a tiro as populações indígenas, como fizeram os colonos europeus quando ocuparam as terras do Tio Sam. Nunca tivemos apartheid, ao contrário do que aconteceu na África do Sul ou na Rodésia. Cruzámo-nos em África e na Ásia com as populações autóctones, tivemos filhos e muitas vezes assumimo-los.

A ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, veio dizer na semana passada, num discurso geralmente bem estruturado, que há racismo em Portugal.

«Durante décadas, apregoar a inexistência de fenómenos racistas na sociedade portuguesa tornou-se um quase lugar-comum. A repetição incessante da ideia não teve, contudo, a virtualidade de a converter em verdadeira. A maior expressão de preconceito racial consiste, precisamente, na negação deste preconceito» - disse a ministra.

Terá razão?

Confesso que, até há bem pouco tempo, não dava pela existência de racismo em Portugal.

Vivi a juventude no tempo do Estado Novo, e nunca senti que esse fosse um problema.

Sempre joguei à bola com negros, aplaudi os feitos de jogadores africanos.

O próprio facto de um dos grandes ídolos nacionais ser Eusébio era um travão contra o racismo: não fazia sentido idolatrarmos a sua figura e aplaudirmos os seus feitos… e depois dizermos mal dos ‘pretos’.

E a história da colonização portuguesa aponta no mesmo sentido. 

Há quem diga que ela foi igual a outras.

Não foi. 

Nunca corremos a tiro as populações indígenas, como fizeram os colonos europeus quando ocuparam as terras do Tio Sam.

Nunca tivemos apartheid, ao contrário do que aconteceu na África do Sul ou na Rodésia.

Cruzámo-nos em África e na Ásia com as populações autóctones, tivemos filhos e muitas vezes assumimo-los.

E no tempo de Salazar houve uma política de integração progressiva dos negros nas colónias africanas (aliás muito criticada), criando-se o estatuto dos ‘assimilados’ - nativos que já partilhavam a cultura europeia.

Houve atos racistas?Claro que houve - e muitos.

Mas isso decorria da evidência de uns serem colonizadores (e supostos portadores de um estádio de civilização ‘superior’) e os outros serem colonizados.

A regra, porém, era a convivência mais ou menos pacífica.

Basta ir hoje a Angola ou Moçambique para o constatarmos: os negros gostam dos portugueses, enquanto detestam os russos e os cubanos - apesar de estes lá terem estado muito menos tempo.

Mas então por que é que, de repente, se passou a falar tanto de racismo em Portugal?

A responsabilidade foi, sobretudo, do Bloco de Esquerda - que tem a capacidade de ir colocando sucessivos temas na ‘agenda’.

Esgotada uma ‘causa’, vem logo outra a seguir.

Depois de lançadas as ‘causas’ da legalização do aborto, da despenalização das drogas leves, das salas de chuto, dos direitos dos homossexuais, da mudança de sexo aos 16 anos, da igualdade de género, da contestação dos Descobrimentos, etc., que têm ocupado a agenda mediática nos últimos anos, há que inventar outras.

O racismo está nessa linha.

Foram os dirigentes do BE que começaram insistentemente a falar da existência de racismo em Portugal.

E a afirmação contagiou outros partidos de esquerda, como o PS.

Ora, de tanto se falar dos assuntos, eles transformam-se em realidades.

Há quem pense, como a ministra, que os problemas se resolvem por se falar muito deles.

Discordo completamente: o discurso antirracista, repetido a propósito e a despropósito, acabou por acordar demónios adormecidos.

O racismo, que há muito tempo estava em estado de hibernação em Portugal, veio à superfície.

A discussão instalou-se, os ânimos exaltaram-se, as posições extremaram-se - e aquilo que não constituía um problema tornou-se de repetente uma questão gravíssima.

Veja-se o que aconteceu com o artigo de Fátima Bonifácio.

Se não fosse o alarido feito à sua volta, passaria sem grandes ondas.

Mas a atitude da direção do Público, fazendo mea culpa por publicar o texto, chamou brutalmente a atenção para ele.

Atrevo-me a dizer que a insólita reação da direção do jornal fez mais pelo racismo em Portugal do que 100 artigos como aquele ou piores. 

Aliás, a ministra da Justiça, ela própria, é o exemplo vivo da inexistência de racismo em Portugal.

E o primeiro-ministro é outro.

Há uns bons anos, uma pessoa das minhas relações - essa sim racista - disse-me que António Costa nunca chegaria a líder do PS por ser «monhé». E acrescentou: «Os portugueses não gostam de monhés».

Ora, António Costa não só chegou a líder do PS como chegou a primeiro-ministro, cumpriu uma legislatura e será com certeza reeleito.

Num país racista, isto não seria possível.

Dir-se-á que aqui e ali há referências à  cor da sua pele.

Mas são raras - e têm muito mais que ver com o facto de ser de esquerda do que com a sua ascendência goesa.

Os ataques que Costa sofre, mesmo aqueles que têm aparentemente um cunho racista, são mais devidos a questões políticas do que a questões raciais.

Nesta medida, remexendo uma vez mais na ferida do ‘racismo’, Francisca Van Dunem prestou um mau serviço à causa antirracista.

Repito: na minha juventude, ninguém via o racismo como um problema; hoje enche páginas de jornais.

De quem é a culpa? 

Dos que querem à força provar que o racismo existe - e fazem um alarido quando alguém tem uma opinião diferente da deles.

Dos que propagam aos quatro ventos as suas teorias - mas que calam os outros quando estes se querem manifestar.

Depois das campanhas antirracistas que o BE lançou, a sociedade portuguesa é hoje muito mais racista do que era antes.

Os conflitos raciais tendem a multiplicar-se. 

Mas não era isso mesmo que o BE queria?

Acho que sim.

O BE quer ter ‘causas’ para fundamentar as suas lutas, desestabilizar a sociedade e criar um permanente ambiente de guerra.

É esse o seu objetivo.