Internacional

Homem libertado por "ser demasiado velho" volta a matar mulher

Depois de libertado, Flick mudou-se para Lewinston onde conheceu uma mulher sem abrigo por quem se apaixonou. Quando percebeu que o sentimento não era recíproco decidiu esfaqueá-la várias vezes no peito, em plena luz do dia, em frente aos dois filhos da mulher. 

Albert Flick foi condenado por homicídio em 1979 depois de ter assassinado a sua mulher. O homem esfaqueou-a 14 vezes em frente à filha de ambos. Em 2014, o tribunal considerou-o demasiado velho para estar preso e decidiu libertá-lo. Quatro anos depois de ter sido solto, voltou a cometer o mesmo crime.  

O homem de 77 anos esteve preso 25 anos. Saiu em liberdade condicional em 2004 mas voltou a ser detido, seis anos depois, por ter agredido uma mulher. Mas  o historial de Flick não assustou o juiz que decidiu libertá-lo por este já não constituir perigo.

"A dada altura, o sr. Flick vai perder a capacidade de manter esta conduta por causa da idade, e mantê-lo preso depois dessa altura não parece fazer sentido", justificou o magistrado. 

Depois de libertado, Flick mudou-se para Lewinston onde conheceu uma mulher sem abrigo por quem se apaixonou. Quando percebeu que o sentimento não era recíproco decidiu esfaqueá-la várias vezes no peito, em plena luz do dia, em frente aos dois filhos da mulher. 

Na semana passada, o caso foi a tribunal e o homem de 77 anos foi condenado a prisão perpétua.