Internacional

Rosenda Strong desapareceu há nove meses: o seu cadáver foi encontrado num congelador abandonado

O coronel Jim Curtice, do condado de Yakima, explicou que “os restos mortais somente foram identificados devido a registos dentários existentes”

Rosenda Strong, de 31 anos, mãe de quarto crianças, desapareceu em outubro após sair de casa com uma amiga para visitar o Legends Casino, em Toppenish, no estado de Washington. A mulher, que teria completado 32 anos no passado mês de abril, foi encontrada num congelador abandonado, a 4 de julho, quando estava desaparecida há 275 dias. De acordo com a irmã da vítima mortal, citada pelo site oficial do ‘Inside Edition’, um programa da CBS, o cadáver foi descoberto na reserva índigena de Yakama Nation, onde “lixo é ilegalmente despejado”.

“Estamos a tentar lidar com as notícias devastadoras. Acreditamos que os homicidas da Rosenda são nativos ou até amigos dela” avançou Roxanne White, prima de Strong, ao site anteriormente referido. Apesar de as autoridades terem demonstrado as suas profundas condolências perante a descoberta, foram revelados poucos detalhes sobre a morte da mulher: o coronel Jim Curtice, do condado de Yakima, explicou que “os restos mortais somente foram identificados devido a registos dentários existentes”.

A verdade é que Strong pertencia às Tribos Confederadas da Nação Yakama, constituídas pelos povos Klikitat, Palus, Wallawalla, Wanapam, Wenatchi, Wishram e Yakama. “Sabemos que não estamos sozinhas e queremos enviar as nossas orações a outras mulheres nativas que estão desaparecidas ou também foram assassinadas. Como descendentes Yakama, estamos aqui para as outras famílias” adiantou White.

Na página de Facebook ‘Help Us Find Rosenda Strong’ (Ajudem-nos a encontrar a Rosenda Strong), os familiares e amigos da vítima uniram-se por acreditarem “que não tinham tempo para esperar que outra pessoa” os ajudasse a encontrar Strong. Durante nove meses, foram partilhados tributos, fotografias de vigílias, pormenores sobre o legado de Strong e, no dia 12 de julho, uma mensagem final: “Foi uma caminhada muito complicada para a nossa família. Muitos podem dizer que assim chegámos a uma conclusão mas, nos nossos corações, a dor é indescritível”.

Sublinhe-se que a morte de Strong está a ser investigada pela polícia tribal, pelo FBI e pela equipa de Curtice.