Economia

Exportações e investimento empresarial na base do crescimento económico, diz Costa

Declarações do primeiro-ministro durante a apresentação dos resultados do 1.º Concurso do Novo Sistema de Incentivos à Inovação, na Marinha Grande.

O primeiro-ministro atribuiu esta quarta-feira o crescimento da economia às exportações e ao investimento empresarial, aproveitando para deixar um incentivo às empresas portuguesas para que apostem na inovação.

"O que tem sustentado o crescimento [da economia] não tem sido o investimento público, o endividamento da economia, das famílias ou do Estado, porque quer as empresas quer o Estado quer as famílias têm vindo a reduzir sustentadamente o seu nível de endividamento. Aquilo que tem sustentado fortemente o crescimento da nossa economia é o investimento empresarial e o aumento das exportações", disse António Costa, durante a apresentação dos resultados do 1.º Concurso do Novo Sistema de Incentivos à Inovação, na Marinha Grande.

No seu discurso, Costa frisou que o investimento empresarial cresceu 23,5% durante esta legislatura. "No mesmo período, na União Europeia, o investimento empresarial cresceu 14%, ou seja, o nosso investimento empresarial está a crescer bastante acima da média europeia. Esse crescimento do investimento empresarial é fundamental", explicou.

O primeiro-ministro aproveitou para desafiar as empresas portuguesas a “investirem mais” por forma a tornarem-se "mais produtivas e competitivas e fazerem a diferença".

"Temos os recursos disponíveis para financiar essa inovação, mas, mais importante, é ter o tecido empresarial que existe para ser financiado, que apresenta novos projetos e que nos dá garantia que o crescimento que temos tido ao longo destes anos, com base no investimento empresarial, não foi uma exceção", acrescentou.

"A economia portuguesa tem um tecido empresarial, sobretudo de pequenas e médias empresas, que apostam fortemente na inovação, têm capacidade de apresentar projetos de grande qualidade, de absorver esses recursos e de os transformar em algo concreto", disse António Costa.

O primeiro-ministro disse ainda que é preciso apostar "nos mecanismos de transferência do conhecimento para a atividade económica", que permitem "uma incorporação do saber numa maior qualificação dos recursos humanos através do sistema educativo ou de formação profissional".