Internacional

Babysitter mata bebé de sete meses com dose excessiva de Benadryl

A autópsia revelou que a menor tinha 2400 nanogramas do medicamento no sangue

Military Times
GoFundMe

Dixie Denise Villa, uma babysitter de 40 anos que criou um infantário ilegal num complexo gerido pelo exército havaiano, foi acusada do crime de homicídio por ter matado Abigail Lobisch, de sete meses, no passado dia 24 de fevereiro. De acordo com o jornal militar Stars and Stripes, a autópsia revelou que a menor tinha 2400 nanogramas de Benadryl – anti-histamínico usado também como sonífero – por cada mililitro de sangue, quando a dose encontrada noutras crianças que morreram devido à mesma intoxicação foi de 1400 nanogramas por mililitro.

Villa foi detida depois de se entregar, no passado sábado, às autoridades de Honolulu. A alegada homicida contactou os serviços de emergência do Havai quando percebeu que a menina não reagia a qualquer estímulo. Na bula do medicamento, pode ler-se que o mesmo não deve ser administrado em crianças com idades inferiores a seis anos sem supervisão médica. Sabe-se que a mãe da vítima mortal, Anna Lobisch, recorria aos serviços de Villa há quatro meses. Em entrevistas conduzidas pela polícia, Villa disse sempre que a bebé “tinha estado bem durante o dia” e que a “única coisa” que usou foi “loção corporal” porque a bebé estava “com um escaldão após ter passado o dia todo na piscina”.

O advogado de Villa, David Hayakawa, fez um pedido pouco comum ao tribunal: pediu que a audiência preliminar da sua cliente fosse realizada com uma antecedência de duas semanas, ainda que os magistrados lhe tenham perguntado se “tinha a certeza” de que era esse o veredicto da arguida. Por outro lado, a família da bebé iniciou uma angariação de fundos na plataforma ‘GoFundMe’, onde se pode ler que a mãe de Abigail está “a procurar representação legal para lidar com aquilo que ainda acontecerá” mas que “a luta tem um custo que os pais não podem suportar”. Através da hashtag #JusticeForAbi, os familiares apelam a que conhecidos e desconhecidos ajudem a progenitora da bebé a lidar com “os aspetos emocionais, mentais e físicos da luta pela justiça que a Abi merece”.

A fiança da suposta criminosa situa-se no valor de 1 milhão de dólares, o equivalente a 897 mil euros e está sob custódia das autoridades do Havai.