Politica

Ana Gomes debaixo de fogo

Ex-deputada não gostou de ver PS desvincular-se das suas opiniões quanto à transferência de João Félix e atacou Carlos César: «Agradeço ao presidente o afã de esclarecer o óbvio».

O apoio de Ana Gomes ao hacker  Rui Pinto tem provocado muita tensão. A posição da antiga eurodeputada entra em contradição em alguns dos relatórios que produziu no Parlamento Europeu e que dão conta da necessidade de assegurar a proteção de dados, nomeadamente às bases de dados das autoridades - e esta semana ficou a saber-se que Rui Pinto invadiu inclusivamente o email do juiz Carlos Alexandre.

Mas não é apenas Rui Pinto que está na origem das críticas de Ana Gomes em relação ao Benfica. Também a transferência de João Félix para o Atlético de Madrid por mais de 120 milhões provocou uma reação da socialista, da qual o PS já se afastou publicamente. Depois de o negócio ter sido concretizado, Ana Gomes comentou um tweet de um jornalista da Sábado sobre o assunto, questionando: «Não será negócio de lavandaria?»

A posição adotada pela antiga eurodeputada levou o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, a questionar o PS sobre «se as declarações proferidas por Ana Gomes [refletiam] a opinião do partido ou se, ao invés, tais declarações não [mereciam] senão rejeição e repúdio».

A resposta do PS não tardou. Carlos César apressou-se a esclarecer que o partido nada tinha a ver com o que Ana Gomes havia dito: «Exmo. Sr. Luís Filipe Vieira, Presidente do Sport Lisboa e Benfica, Na posse da sua carta de 11 de julho p.p., relacionada com declarações proferidas pela dra. Ana Gomes, a qual desempenhou funções de deputada no Parlamento Europeu, compete-me transmitir-lhe que o Partido Socialista não tomou qualquer ‘posição institucional’ sobre o assunto objeto dessas afirmações. Assim, as opiniões da dra. Ana Gomes refletem apenas uma posição própria e pessoal que, tal como em muitos outros caos [sic], não vincula o Partido Socialista». A missiva termina com César a transmitir os melhores cumprimentos e «estima» ao presidente dos encarnados.

Ana Gomes irritada com César

Quem não gostou de ver o partido virar-lhe as costas na guerra com o Benfica foi Ana Gomes, que ontem, na sua conta oficial de Twitter, lançou duras críticas à posição adotada pelo PS: «Agradeço ao presidente Carlos César o afã de esclarecer o óbvio: não represento o PS e o que digo e escrevo só me vincula».

A militante socialista não se ficou por aqui, lembrando que tem autonomia do partido para emitir as suas próprias opiniões: «Sendo socialista, e não apparatchik, não abdico de dar uso à minha cabeça...».

Com a referência aos membros do aparelho comunista soviéticos que obedeciam à hierarquia, Ana Gomes pretende fazer uma crítica ao PS, sobretudo por acabar a mensagem com um texto enigmático, que dá a entender que Luís Filipe Vieira condiciona Carlos César: «Já César, usa o que pode face a Vieira: a César, o que é de César. E viva o @psocialista!».

Estas declarações foram mal recebidas no Rato, tendo uma fonte do SOL recordado que Ana Gomes foi assessora principal do partido no tempo em que Ferro Rodrigues foi secretário-geral, tendo recebido uma avença mensal de 3606 euros.