Internacional

Pedro Sánchez contra todos

Sánchez tentou durante meses, mas praticamente não conseguiu nenhum apoio que não fosse do seu partido. Preferia uma espécie de geringonça, enquanto o Unidas Podemos exigia cargos no novo Governo. A direita recusou abster-se para lhe abrir caminho.

Vamos a tempo de salvar esta sessão de investidura», garantiu Pablo Iglesias, líder do Unidas Podemos, pouco antes de Pedro Sánchez perder a sua votação para ser indigitado primeiro-ministro de Espanha. O líder do PSOE chegou ao Congresso de Deputados sabendo que era praticamente impossível que fosse indigitado. Mas o assunto ficou encerrado quando Sánchez recusou a oferta de última hora de Iglesias. «Abdicamos do ministério do Trabalho se nos derem as políticas ativas de emprego», declarou. O que significaria, na prática, ficar com as políticas do trabalho, à exceção da segurança social. Após recusar, Sánchez perdeu a votação, mais uma vez, sem ter o apoio de praticamente nenhum deputado que não fosse do PSOE. Ou Sánchez arranja uma maioria - à esquerda ou à direita - até 22 de setembro, ou Espanha terá eleições antecipadas.

Na raiz do problema estava a vontade de Sánchez de formar uma espécie de geringonça - enquanto Iglesias queria um Governo de coligação. Ou seja, o líder do PSOE pretendia ter apoio parlamentar à esquerda, com base num acordo programático, mas formar Governo monocromático, com «uma direção única e capacidade de gestão». Não só Sánchez vetou a presença de Iglesias no Governo - o que este qualificou como uma «humilhação» -, como se recusou a oferecer pastas de maior relevo, como o ministério das Finanças, afirmando que a pasta «não pode estar nas mãos de quem nunca geriu um orçamento».

«O Podemos é uma organização com pouco mais de cinco anos de vida», relembrou o líder dos socialistas. As coisas já pareciam mal paradas há umas semanas, quando o representante do Unidas Podemos nas negociações, Pablo Echenique, deixou a nota: «Não viemos para ser figurantes nem ficar com ministérios decorativos». Referia-se à oferta do PSOE, que oferecia apenas as pastas da Habitação, Saúde e Igualdade.

Face à acusação de Sánchez, de que o problema foram os nomes dos ministros e não o programa, Iglesias esclareceu: «Pedimos competências, não poltronas». E questionou o líder do PSOE: «Acha que nestes meses falou connosco com o respeito com que se fala com parceiros de Governo?». O líder do Unidas Podemos mencionou ainda a dificuldade de «negociar um Governo de coligação em quatro dias, quando isso não foi feito em 80». Mas não era uma coligação que o PSOE queria montar - pelo menos como primeira opção.

 

Entre a espada e a parede

A recusa de Sánchez em aceitar a proposta de última hora de Iglesas foi, no mínimo, uma manobra arriscada. Um dia antes do voto de investidura, uma sondagens do La Información indicava que 68% dos espanhóis preferiam que não houvesse eleições antecipadas. O partido mais culpado seria o PSOE, com 31% dos inquiridos a responsabilizá-lo em particular, contra os 17% que culpariam o Unidas Podemos - que abdicou de propostas de fundo, como um referendo à autodeterminação da Catalunha. «Vamos ser leais», prometeu Iglesias, no início das negociações. «Não há linhas vermelhas».

Contudo, não havia solução fácil para Sánchez, dado que 62% dos seus eleitores não apoiariam uma coligação entre o PSOE e o Unidas Podemos, se tivermos em conta uma recente sondagem do NC Report para o La Razón. O líder socialista ainda tentou disputar a narrativa do Unidas Podemos, de que a culpa do desastre negocial era sua. «A oferta que fizemos foi responsável, respeitosa e generosa», afirmou, pouco antes do voto de investidura desta quinta-feira. Após ser chumbado, graças à abstenção do Unidos Podemos, o líder do PSOE não hesitou em acusar: «Enganaram-se hoje, e enganaram-se em 2016».

 

Déjà vu

Sánchez referia-se à última vez que não conseguiu formar Governo graças à oposição de Iglesias. Foi após as eleições legislativas de dezembro de 2015, em que o PSOE tentou formar Governo com os liberais do Ciudadanos e com o então chamado Unidos Podemos. O partido da «gente das praças» - numa referência aos protestos contra a austeridade que foram o embrião do Podemos - não achou piada nenhuma à ideia, como seria de esperar.

Iglesias, furioso, apelidou os liberais de «marionetas dos poderosos», acusando o PSOE de querer «impedir a reversão dos cortes [orçamentais] e consolidar a política do Partido Popular (PP)».

Depois de um longo impasse, o Rei Felipe VI acabaria por convocar eleições, onde se registaria um crescimento do PP, na altura liderado por Mariano Rajoy. O líder do PP acabou por conseguir formar Governo, graças à abstenção do PSOE - o que o Unidas Podemos considerou uma traição.

Por agora, um novo Governo encabeçado pelo PP é um cenário aritmeticamente impossível, face à sua sustentada perda de eleitorado para o Ciudadanos - liderado por Albert Rivera - e para os nacionalistas do Vox. Nem juntas as direitas conseguiriam maioria no Congresso. Mas não seria impossível uma união ao centro entre o PSOE e o Ciudadanos - que juntos teriam 180 deputados, mais que os 176 necessários para uma maioria absoluta.

 

À direita

«Não vamos firmar um acordo com o PSOE nem com Sánchez. Mandamo-los embora e ponto», afirmou o líder do Ciudadanos, em entrevista ao El Español, pouco antes das eleições de 28 de abril. O sentimento parecia ser mútuo - pelo menos da parte dos apoiantes de Sánchez. Durante o discurso de vitória do líder do PSOE, na noite eleitoral, a multidão gritava: «Com Rivera não!». Sánchez não pôs de lado a hipótese, mas o Ciudadanos voltaria a confirmar a recusa.

Agora, o cenário pode mudar, face a renovada pressão. «É preciso explorar novos caminhos», sugeriu Sánchez, logo após perder a votação, em entrevista à Tele5. O líder do PSOE dedicou uma boa parte dos seus discursos no Congresso ao Ciudadanos e ao PP, pedindo que se abstivessem para abrir caminho à investidura. Perante o absoluto espanto dos seus potenciais parceiros do Unidas Podemos, Sánchez soube falar a linguagem da direita e dirigiu-se «aos que se dizem partidos constitucionalistas», os que «apelam ao sentido de Estado». Ameaçou: «Se não querem que a investidura dependa dos grupos independentistas, têm de se abster».

 

Catalunha

Sánchez referia-se à necessidade de os independentistas catalães, no mínimo, se absterem para o PSOE conseguir maioria simples, mesmo com os votos do Unidas Podemos. Algo que os independentistas acabaram por aceitar, esta quinta-feira, «a troco de nada», nas palavras de Gabriel Rufían, da Esquerda Republicana Catalã (ERC).

A situação poderá ser completamente diferente em finais setembro, na reta final do período em que Sánchez ainda pode tentar ser investido - que coincide com a data esperada para a sentença dos líderes catalães. O desfecho do processo poderá acirrar os ânimos entre o PSOE e os independentistas, à semelhança do que ocorreu no início do julgamento, em fevereiro - e que levou Sánchez a convocar eleições antecipadas.

O assunto está diretamente relacionado com a insistência do Unidas Podemos, que - apesar de mostrar receios quanto à aproximação dos socialistas à direita - pediu que comecem a negociar «a sério», logo em agosto. «Não há porque esperar por setembro. Não há férias que valham», afirmou a porta-voz do partido no Congresso, Irene Montero, para quem a repetição das eleições «não é opção».