Desporto

Jorge Jesus. Flamengo oferece presente envenenado

Treinador português estreou-se na Libertadores no dia em que completou 65 anos. Mengão era favorito e foi realmente mais forte, mas a competência do Emelec levou a melhor, vencendo por 2-0, e ficando assim na frente dos oitavos-de-final. Mestre da tática soma apenas uma vitória em cinco jogos

 

Depois da passagem agridoce pela Arábia Saudita muito se especulou sobre o futuro de Jorge Jesus, que acabou, entretanto, por seguir viagem para o Brasil. Desde esse momento, em que foi anunciado como técnico do Flamengo, que a vida do técnico português não tem sido propriamente fácil. As pré-críticas, numa altura em que ainda nem tinha sequer aterrado no Rio de Janeiro, tomaram proporções quase absurdas, mas o amadorense manteve-se indiferente ao ambiente hostil, mostrando-se sempre focado em voltar a colocar o Mengão no topo do futebol brasileiro. Foi, de resto, com esse intuito que voltou a fazer nova estreia, durante esta semana, desta feita para a Taça dos Libertadores, em jogo da primeira mão dos oitavos-de-final.
Depois de ter visto o emblema carioca ter sido eliminado da Copa do Brasil, pelo Athletico Paranaense, nos quartos-de-final da competição, o ex-treinador do Benfica e Sporting ficou com a missão reduzida a duas provas: o campeonato brasileiro e a Libertadores. No Brasileirão, diga-se, as coisas vão correndo dentro do programado, com Jesus a proporcionar um verdadeiro show no primeiro jogo, com a goleada (6-1) aplicada ao Goiás, no Maracanã, e, mais recentemente, com o empate a uma bola, em S.Paulo, diante do Corinthians. Este último resultado a valer para a prova brasileira ganhou, aliás, outra relevância já que o líder Palmeiras, de Luiz Felipe Scolari, tinha saído derrotado desta 11.ª jornada. Contas feitas, o plantel rubro-negro manteve o terceiro lugar na tabela, reduzindo para cinco pontos a desvantagem para o primeiro lugar. 
Assim, e embora nem tudo fosse correndo de feição, o cenário também não era propriamente negro para o plantel do Ninho do Urubu. Até à madrugada desta quinta-feira.
Jorge Jesus voltou a ter um novo desafio no comando da nau carioca, mas desta vez o Fla esteve longe de corresponder às expectativas. No Equador, o emblema do Rio perdeu por duas bolas a zero, diante do Emelec, em jogo da primeira mão dos oitavos da Libertadores. O conjunto rubro-negro era o claro favorito, e foi realmente mais forte ao longo do encontro, mas acabou surpreendido pela competência e eficácia do conjunto equatoriano, que está agora bem posicionado para seguir em frente na prova. Uma espécie de presente envenenado para o técnico português, que naquele dia completou 65 anos, e, no final do encontro, não conseguiu esconder a frustração com o resultado. «Não é o que esperávamos. Viemos para este jogo para disputar a possibilidade de uma vitória. O jogo não correu bem, o campo era difícil para a forma como jogamos. O Emelec foi defensivamente agressivo, muito forte dentro da nossa equipa», confessou. 
«Não rendemos coletivamente para que nos desse algo em termo individual», sentenciou.
Desgostos à parte, o técnico luso já sabe que terá uma verdadeira prova de fogo a abrir o mês de agosto, altura em que receberá, no Rio de Janeiro, o Emelec, para o segundo e decisivo jogo, que ditará o apuramento de uma das duas equipas para os quartos-de-final da prova.
O Flamengo procura, de resto, voltar a atingir os quartos desta prova, depois de ter chegado a esta fase pela última vez há 9 anos: em 2010, altura em que caiu diante da Universidad de Chile. Além disso, os comandados de Jesus ainda acreditam que é possível conquistar a Libertadores pela segunda vez na história do clube do Rio de Janeiro, que alcançou o troféu inédito na prova na época de 1980/81. Nesse ano, o Flamengo venceu com a equipa sensação que contava, recorde-se, com nomes como os de Carlos Mozer, Zico ou Júnior. 
Todavia, ainda antes deste encontro da segunda mão, em que Jesus, como mestre da tática, precisará de esculpir um verdadeiro milagre, o Mengão terá, pelo meio, um novo teste. O Flamengo recebe, este domingo, o Botafogo, oitavo classificado na tabela, em jogo da 12.ª jornada do campeonato brasileiro.
Contas feitas, e apesar de este vir a ser apenas o sexto encontro do amadorense em terras de Vera Cruz, Jorge Jesus, que só conseguiu, até aqui, vencer por uma vez, já percebeu que a margem de erro é cada vez menor. 
Os adeptos cariocas já mostraram estar sedentos de títulos, algo que tem sido escasso no currículo do Flamengo durante os últimos anos.
De tal forma que a última competição caseira conquistada pelo conjunto rubro-negro foi... a Copa do Brasil, em 2013.
No que diz respeito ao Brasileirão, o conjunto do Rio não vence há uma década, desde 2009, ano em que conquistou o sexto troféu da sua história na prova (2009, 91/92, 86/87, 82/83, 81/82, 79/80).
A ‘torcida’, aliás, já deixou Jesus a par do seu descontentamento: primeiro no aeroporto, onde o treinador chegou mesmo a sair do autocarro para confrontar os cariocas; e, já durante a semana, os adeptos fizeram questão de receber a equipa no hotel com muitos protestos, mostrando-se desiludidos com o desaire no Equador.
É, por isso, caso para dizer que Jorge Jesus entrou oficialmente em alta pressão em solo brasileiro. Nada, porém, a que não esteja habituado.