Economia

Banco de Portugal apreende mais de 500 mil euros em notas falsas

Regulador detetou um crescimento no número de notas contrafeitas em circulação, uma tendência contrária à registada na zona euro.

No primeiro semestre deste ano, foram retiradas de circulação mais de 7400 notas falsificadas, revelou o Banco de Portugal. 

Em comunicado, o banco central revela que, das 7427 notas contrafeitas,  as mais falsificadas foram as notas de 20 e de 50 euros – foram feitas 2486 e 3436 falsificações, respetivamente. O Banco de Portugal registou ainda 524 notas falsas de 100 euros, 291 de 200 euros e 479 notas de 500 euros. As menos falsificadas foram as de cinco euros, com 45 falsificações, e as de 10 euros, com 166.

Ao todo, o valor falsificado correspondia a mais de 570 mil euros. Comparando cm o segundo semestre de 2018, altura em que foram retiradas de circulação 6757 notas contrafeitas, foi registado um aumento de 10%. Nos últimos seis meses do ano passado, o valor de notas falsas retiradas pelo Banco de Portugal fixou-se nos 304 mil euros.

 “É importante saber reconhecer a autenticidade das notas no momento em que são recebidas, dado que não é possível trocar uma nota contrafeita por uma nota genuína”, lê-se na nota do organismo liderado por Carlos Costa.

É possível identificar as notas apreendidas “tocando, observando e inclinando”, sem que seja necessário recorrer a “qualquer instrumento de verificação”, como canetas especiais, refere o Banco de Portugal.

“O Banco de Portugal e o Banco Central Europeu disponibilizam informação sobre as caraterísticas e os elementos de segurança das notas de euro e sobre as técnicas que permitem verificá-los. O Banco de Portugal, através da sua rede regional, também presta formação sobre o conhecimento das notas de euro para diferentes públicos”, acrescenta o regulador. 

No sábado, o Banco Central Europeu revelou que foram retiradas de circulação 251 mil notas euro falsas. Tal como em Portugal, as mais falsificadas continuam a ser a de 20 euros e 50 euros. A grande maioria das notas contrafeitas foram apreendidas nos países da zona euro (97,2%). Foram também retiradas de circulação notas falsas em países europeus fora da zona euro (2,1%) e noutras partes do mundo (0,7%).

Contrariamente ao crescimento de contrafação registado em Portugal, na Europa houve um decréscimo de 4,2% no primeiro semestre de 2019, comparando com os últimos seis meses do ano passado.

“É pouco provável que receba uma nota contrafeita, já que o número de notas falsas continua a ser muito baixo quando comparado com as notas genuínas em circulação”, assegura o regulador europeu.

Por forma a combater este problema, o Banco Central Europeu colocou novos elementos de segurança nas notas de 100 e 200 euros, como “um holograma-satélite e um número esmeralda melhorado que, em conjunto, tornam as notas de euro ainda mais seguras”.