Economia

Novo Banco com prejuízo de 400 milhões de euros

Nos primeiros seis meses deste ano, as três operações de venda resultaram em perdas de 340 milhões, contribuindo para a quebra.

Na primeira metade deste ano, o Novo Banco apresentou um prejuízo de 400,1 milhões de euros, valor que significa um agravamento de 88,5% face a igual período do ano anterior.

"O Grupo Novo Banco registou perdas relacionadas com o processo de restruturação e desalavancagem de ativos não produtivos, designadamente o projeto Sertorius, o projeto Albatroz em Espanha e o processo de venda da GNB Vida, cujo impacto negativo ascendeu a 340 milhões de euros", explica o Novo Banco. 

O banco explica ainda que este resultado está relacionado com "uma perda de 513,5 milhões de euros na atividade legacy e de um ganho de 113,4 milhões de euros na atividade recorrente".

A instituição liderada por António Ramalho, estima agora que terá de pedir pelo menos mais 541 milhões de euros ao Fundo de Resolução. Este é um valor que só será contabilizado no próximo ano, aquando do fecho de contas deste ano.

Estes resultados são apresentados quase na véspera do colapso do Banco Espírito Santo (BES), que aconteceu a 4 de agosto de 2014. Nessa altura, o Banco de Portugal criou o Novo Banco que ficou com os ativos bons e os tóxicos foram atribuídos ao Banco Mau.