Sociedade

Vice-presidente do sindicato de motoristas quer evitar greve... com reunião que não existe

Segundo o advogado e o porta- voz da associação, André Matias de Almeida, a reunião falada pelo sindicato de motoristas “é uma farsa que se destina, mais uma vez, a ludibriar a comunicação social e o povo português sobre uma alegada disponibilidade deste sindicato para negociar”.

A data da segunda greve dos motoristas de matérias perigosas está cada vez mais próxima e o país encontra-se num impasse, sem perceber se esta se vai realizar ou não.

O vice-presidente do sindicato dos motoristas, Pedro Pardal Henriques afirma ter um plano para evitar que a greve, marcada para dia 12 de agosto, suceda e declara que vai  apresentá-la numa reunião com o governo e a ANTRAM(Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários de Mercadorias), esta segunda-feira.

Pardal Henriques pretende apresentar uma proposta que visa o aumento dos ordenados dos motoristas anualmente, a partir de 2021. O contrato de seis anos estipula que, em 2020, os profissionais passem a receber 700 euros de ordenado base, 800 euros em 2021 e que a partir daí o aumento seja de 50 euros, todos os anos, alcançando assim os mil euros em 2025.

O vice-presidente do sindicato declara que o grupo quer evitar a greve, mas para isso necessita que os seus pedidos sejam ouvidos pelo governo e pela ANTRAM. No entanto, a ANTRAM já veio a público declarar que não existe nenhuma reunião marcada para segunda-feira.

Segundo o advogado e o porta- voz da associação, André Matias de Almeida, a reunião falada pelo sindicato de motoristas “é uma farsa que se destina, mais uma vez, a ludibriar a comunicação social e o povo português sobre uma alegada disponibilidade deste sindicato para negociar”, declarou à Lusa.