Vida

YouTuber agride cão e cospe para cima dele durante gravação I VÍDEO

"Quero clarificar que não sou uma abusadora de cães ou de qualquer outro animal" escreveu Houts no Twitter

Brooke Houts tem 20 anos e conta com mais de 334 mil seguidores no seu canal oficial do YouTube. Produz conteúdos diversificados, contudo, é aclamada pela relação que mantém com o seu doberman, Sphinx, divulgando o crescimento do mesmo e as atividades que realiza com o companheiro de quatro patas. No entanto, a jovem norte-americana tem sido alvo de controvérsia após ter realizado o upload de imagens relativas à famosa partida da barreira de plástico - é suposto os donos 'enganarem' os seus cães e esperarem que os mesmos saltem por cima de algumas camadas de plástico colocadas numa porta - na medida em que foi vista a agredir o animal.

No vídeo, que tem a duração de um minuto e vinte e quatro segundos, é possível ver a influenciadora a empurrar e agredir Sphinx bem como a cuspir para cima do doberman. Descontente com o resultado da partida, no fim da versão editada, Houts explica que a partida não teve o resultado esperado. Mas através da visualização dos brutos que partilhou, acidentalmente, na plataforma fica-se com a ideia de que a rapariga abusa do animal. Na sua conta oficial do Twitter, Houts esclareceu, numa espécie de carta aberta, que as "coisas estavam tudo menos excecionais" na semana em que gravou o vídeo em questão e que tentou apenas "mostrar ao doberman de 34kg" que não podia saltar para cima de si e quis mostrar-lhe "que aquele comportamento era inaceitável".

"Quero clarificar que não sou uma abusadora de cães ou de qualquer outro animal. Quem já testemunhou o verdadeiro abuso animal consegue perceber isso. O meu cão não foi magoado, de qualquer forma, através das ações que cometi no vídeo. Não cuspi para cima do meu cão mas compreendo que possa ter sido visto assim. Não devia ter encarado a situação daquele modo" escreveu Houts que informou os seus seguidores de que Sphinx ainda não frequenta treinos de educação canina porque "são extremamente caros" e não poderia "obter aquilo de que precisa num ambiente de treino em grupo".

Segundo a NBC Los Angeles, a polícia da cidade homónima está a investigar a YouTuber. Por outro lado, a People for the Ethical Treatment of Animals (PETA) publicou no Twitter a seguinte mensagem: "Os cães merecem respeito. Se não consegues tratar os cães com carinho e só os tratas mal, não tenhas um".