Sociedade

Este ano já morreram 56 pessoas afogadas

Segundo o "Observatório do Afogamento" da FEPONS, até ao dia oito de agosto deste ano, morreram 56 pessoas afogadas em Portugal

Dados fornecidos pela Federação Portuguesa de Nadadores Salvadores (FEPONS) mostram que este ano 56 pessoas morreram afogadas. 98% destes casos ocorreram em zonas não vigiadas.

Segundo o "Observatório do Afogamento" da FEPONS, até ao dia oito de agosto deste ano, morreram 56 pessoas afogadas em Portugal. Este valor representa uma descida de 12% em relação ao verificado em 2018 no mesmo período.

Ao nível do géneros das vítimas, verificou-se que 76,7% das pessoas que morreram afogadas no primeiro semestre do ano eram do sexo masculino e que 58,1% tinha mais de 40 anos.

Para além disso, verificou-se que nos primeiros seis meses do ano, todos os afogamentos ocorreram em zonas vigiadas, nomeadamente rios, mar e poços. A causa dos afogamentos mais registada foi "queda à água". Apenas em 9,4% das ocorrências houve tentativa de salvamento.

Segundo a Federação, "até à data, 98,2% das mortes por afogamento registaram-se em espaços aquáticos não vigiados, pelo que a campanha de prevenção "SOS Afogamento" da FEPONS reforça o conselho de se frequentarem espaços aquáticos vigiados e de, consequentemente, se seguirem os conselhos dos nadadores salvadores."