Sociedade

Jovem expulso de avião no aeroporto de Faro alega ter sido agredido pela PSP

"Eu não posso acreditar no que vi, o meu amigo foi atacado devido à sua raça no nosso voo para casa. Havia um lugar livre ao meu lado, mas a assistente de bordo não o deixou sentar-se ao meu lado e acusou-o de lhe bater, mesmo quando o avião inteiro está do nosso lado", escreveu na publicação.

Um jovem acusou os agentes da PSP de o ter agredido violentemente no aeroporto de Faro, enquanto este estava a ser retirado de um avião da Ryanair que seguia para Londres, na passada quarta-feira. 

Rafik Boutiche foi acusado de não respeitar as regras da empresa e de ter empurrado uma assistente de bordo que não o deixou mudar de lugar. As autoridades foram chamadas para retirar o jovem do avião antes da descolagem e um amigo de Boutiche gravou toda a situação e publicou o momento nas redes sociais. 

"Eu não posso acreditar no que vi, o meu amigo foi atacado devido à sua raça no nosso voo para casa. Havia um lugar livre ao meu lado, mas a assistente de bordo não o deixou sentar-se ao meu lado e acusou-o de lhe bater, mesmo quando o avião inteiro está do nosso lado", escreveu na publicação.

No vídeo, pode-se ouvir Islam Fessih, o amigo de Boutiche a dizer que a polícia está a magoá-lo e o próprio a queixar-se. Uma mulher também grita "estão a magoá-lo, parem".

A PSP afirma que Boutiche se negou a sair do avião, o que obrigou as autoridades a "usar a força estritamente necessária e proporcional para removê-lo do avião", citando o Diário de Notícias. "Os dois passageiros envolvidos nesta situação abandonaram o avião e mais tarde foram identificados", informa a PSP.

Boutiche acabou por sair de forma voluntária, passado alguns minutos, depois do amigo lhe ter pedido. Em declarações á imprensa britânica, o jovem afirma ter sido magoado pelas autoridades portuguesas. Diz ter ficado com um corte na mão, ter torcido o tornozelo e ter ficado magoado no pescoço. 

 "Somos apenas dois jovens, não procuramos problemas, só queríamos voltar para casa. Nunca vi nada assim, nunca pensei que fosse possível passar pelo que passei", disse Boutiche ao The Mirror.